Alterações Morfológicas dos Eritrócitos

Antes de reconhecer as alterações morfológicas dos eritrócitos é necessário saber como são estas células quando estão normais. Elas se apresentam como discos bicôncavos com uma área de palidez central e quando não há alterações de morfologia ou contagem são todas iguais, inclusive com o mesmo tamanho. O tamanho normal dos eritrócitos varia de espécie para espécie e deve ser conhecido para que não seja tomado como uma alteração.

As alterações de forma dos eritrócitos são bastante comuns, são visíveis nos esfregaços sanguíneos e estão frequentemente presentes nas anemias, auxiliando inclusive na classificação destas. Algumas destas alterações são consideradas normais para certas espécies enquanto outras indicam o que está acontecendo com o animal.

Policromatofilia ou Policromasia


Células com esta característica apresentam-se levemente azuladas ou acinzentadas nas colorações de Wright ou Giemsa e são chamadas de policromatófilos. Os policromatófilos são eritrócitos jovens, maiores do que os maduros, que já eliminaram o núcleo, mas ainda apresentam basofilia pela presença de RNA, por isso esta alteração indica resposta ativa da medula óssea, ou seja, ocorre nas anemias regenerativas.

Estas células também são chamadas de reticulócitos, quando se utiliza corantes supravitais (azul de cresil brilhante ou novo azul de metileno). Algumas espécies apresentam a policromatofilia como alteração normal e frequente, principalmente cães e gatos, sendo necessária a contagem destas células para caracterizar ou não uma anemia como regenerativa; enquanto no caso de equinos, a observação desta alteração é ausente e em bovinos só ocorre em situações críticas como uma hemorragia grave.

Nas anemias regenerativas, além da observação de policromatofilia também ocorre a observação de eritrócito jovens, nucleados, que devem ser citados no eritrograma entre as alterações notáveis. Atualmente, os autores têm preferido o termo eritroblastose para a presença destes precursores eritróides ao invés de citá-los um a um.

Hipocromia e Microcitose

Quando os eritrócitos possuem menos hemoglobina do que o esperado, eles se apresentam mais pálidos nos esfregaços sanguíneos, assim são chamados de hipocrômicos e a alteração, hipocromia. Em consequência à falta de hemoglobina, o eritrócito fica menor do que o normal da espécie, sendo chamado de micrócito e a alteração de microcitose. As anemias de características microcíticas hipocrômicas quase sempre são do tipo ferropriva.

Anisocitose


Este termo se refere à presença de eritrócitos de tamanhos diferentes, o que acontece nas anemias regenerativas quando há células de tamanho normal, policromatófilos, e também micrócitos nas anemias ferroprivas.

Rouleaux e Hemoaglutinação

O rouleaux e a hemoaglutinação não são alterações individuais e sim de grupos de eritrócitos, pois se referem à disposição destes nos esfregaço sanguíneo quando aparecem formando cadeias ou pilhas de células no rouleaux ou agrupamentos desorganizados na hemoaglutinação. Eles ocorrem quando a proteína plasmática total (PPT) está aumentada, tanto em processos inflamatórios, neoplásicos, infecções e até na gestação.

O rouleaux acelera a velocidade de hemossedimentação, que mede a capacidade dos eritrócitos se sedimentarem em um tubo de vidro durante determinado tempo; em humanos este parâmetro é bastante utilizado como indicador inespecífico de doenças, porém em animais sua utilização ainda é limitada.

Em equinos, o rouleaux não é uma alteração e sim um achado normal, já a hemoaglutinação não é normal em nenhuma espécie; nos outros animais além de serem apontadas como alterações também podem ser classificadas de acordo com sua intensidade, em discreta, moderada e intensa, porém alguns autores consideram esta classificação um tanto subjetiva. Poiquilocitose

Quando no esfregaco sanguíneo estão presentes hemácias de formatos diferentes ou irregulares chamamos de poiquilocitose ou pecilocitose. Na verdade, o termo poiquilocitose é abrangente para diversas alterações de forma dos eritrócitos, como será visto a seguir.

Hemácias em Alvo

Estes são eritrócitos nos quais houve concentração da hemoglobina na região central da célula, fazendo com que esta reproduza a forma de um alvo. Estas células são também chamadas de leptócitos, codócitos ou target cells, do termo target que quer dizer alvo em inglês.

As hemácias em alvo são associadas à talassemia, estados homozigotos de disfunção da hemoglobina, situação não hemolíticas como icterícia obstrutiva, após esplenectomia, e em doenças hepáticas ou esplênicas crônicas. Alguns autores acreditam que estas células possuem excesso de membrana celular em relação à quantidade de hemoglobina em seu interior.

Excentrócitos

Excentrócitos são eritrócitos que apresentam a hemoglobina concentrada em um de seus polos, apresentando o outro polo pálido após a coloração. Esta alteração de deve a oxidação da membrana celular do eritrócito.


Esferócitos

Esferócitos são eritrócitos de forma esférica, que tem essa forma porque sofreram uma deformação de sua membrana citoplasmática devido a ação de anticorpos anti-eritrócitos. Os anticorpos anti-eritrócitos são produzidos na anemia hemolítica autoimune (AHAI) em seres humanos e cães, anemias hemolíticas causadas por drogas, anemia hemolítica do neonato e nos seres humanos, há também a esferocitose hereditária. No esfregaço além da forma esférica, os esferócitos são menores do que as células normais, coram-se intensamente e não apresentam a área de palidez central.

Hemácias-Fantasma

As hemácias-fantasma ocorrem por processos de hemólise intravascular e também estão presentes nas anemias imunomediadas, como a AHAI, processos de intoxicação ou injúria aos eritrócitos. Nas lâminas aparecem como eritrócitos muito pálidos, como se fosse apenas uma sombra da célula.

Acantócitos ou Burr Cells

Os acantócitos são eritrócitos de forma irregular, que podem ser vistos na forma de estrela. O termo burr vem do inglês que quer dizer serra circular e também denota a forma da membrana citoplasmática destas hemácias, que não deve ser confundida com artefatos de técnica. Os acantócitos estão presentes em doenças renais e esplênicas, hemangiossarcomas e, às vezes, na cirrose.

Crenação
A crenação é considerada a alteração morfológica mais comum dos eritrócitos, no entanto, na maioria das vezes não se trata de uma alteração patológica e sim um artefato de técnica, geralmente causado pelo anticoagulante, o EDTA. A crenação artificial não deve ser confundida com poiquilocitose, e uma das formas de diferenciá-la da crenação real é sua presença maciça nos eritrócitos, enquanto a crenação real ou qualquer outra manifestação de poiquilocitose atinge parcialmente as hemácias. Eritrócitos realmente crenados também são chamados de equinócitos e devem-se a distúrbios metabólicos. 

Eliptócitos

Eliptócitos ou ovalócitos são eritrócitos de formato oval com ou sem área central de palidez, que quando está presente também é oval. Seu significado parece estar relacionado a herança genética que compromete o citoesqueleto das hemácias.

Estomatócitos

Estomatócitos são eritrócitos que apresentam a área central de palidez com o formato de fenda e não arredondada, algumas vezes comparados ao formato de uma boca humana. Estas células ocorrem por defeito na membrana e geralmente estão presentes nas anemias hemolíticas.


Esquistócitos

Os esquistócitos são hemácias deformadas ou apenas fragmentos destas que aparecem sob formas diversas. Os esquistócitos são resultado de defeito na produção das hemácias ou destruição acelerada destas, podendo estar presente em processos de vasculite, CID, doenças renais ou esplênicas crônicas e também nas anemias ferroprivas.

Queratócitos

Os queratócitos são hemácias que apresentam duas protrusões citoplasmáticas que se assemelham a cornos. Em alguns casos, além das projeções, o citoplasma forma uma espécie de arco entre elas; nestes casos, as hemácias são chamadas de vesiculadas.

Dacriócitos

Dacriócitos são eritrócitos em forma de lágrima ou pera e estão geralmente ligados a problemas na medula óssea ou talassemia.

Inclusões Intra-Eritrocitárias

Os eritrócitos podem apresentar inclusões ou corpúsculos em seu citoplasma que apresentam diferentes formas e significados. As principais inclusões intracitoplasmáticas em eritrócitos são:

Corpúsculos de Howell-Jolly:

São pontos que se coram fortemente, apresentando a cor roxa ou quase preta e geralmente estão na periferia das células. Esses corpúsculos são formados por resquícios de núcleo no citoplasma, por isso denotam a liberação de células jovens na circulação e estão presentes nas anemias regenerativas. Geralmente o baço acaba recolhendo estas células da corrente sanguínea.

Corpúsculos de Heinz:

Sstes corpúsculos são formados a partir da oxidação da hemoglobina que é vista na forma de projeções pálidas ou refratárias à coloração na periferia dos eritrócitos. Eles surgem após o animal ter recebido algum tipo de sustância oxidante (anemias hemolíticas tóxicas); também podem aparecer em gatos com enteropatias graves causadas por agentes tóxicos e na hemoglobinúria pós-parto das vacas.

Ponteado basófilo:

Trata-se da precipitação do RNA citoplasmático formando pontos azuis ao longo da hemácia. Seu significado é o mesmo da policromatofilia, pois indica a presença de um eritrócito jovem. No entanto, um ponteado grosseiro, sem que o animal apresente anemia ou esta seja muito discreta, indica intoxicação por chumbo, chamada saturnismo, mais frequente em cães e seres humanos.

Inclusões virais:

As inclusões virais geralmente aparecem róseas ou azuladas e são de tamanho variável. Além dos eritrócitos, os leucócitos também podem apresentar estas inclusões. No caso da cinomose, as inclusões são chamadas corpúsculos de Sinegaglia-Lentz. 

Artefatos

Além da crenação produzida por artefatos conforme citado anteriormente, outras alterações podem ser vistas nos eritrócitos e confundidas com alterações morfológicas verdadeiras. Entre estas alterações ocorrem pontos refratários na superfície das hemácias, provavelmente devido à presença de ar saindo das células ou por colorações fixadas enquanto o esfregaço sanguíneo ainda está úmido (resíduos de água).

Outros artefatos que ocorrem são a presença de precipitados de corante tanto sobre as hemácias como em torno destas, que não devem ser confundidos com hemoparasitos ou inclusões citoplasmáticas. Praticamente todos os artefatos são evitados com a realização adequada das técnicas de coloração.

Gostou desse artigo? Inscreva-se e continue nos acompanhando!

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema