Classificação funcional morfológica e das junturas sinoviais

Para classificar funcionalmente uma articulação vai depender do movimento em torno de um ou mais eixos. As articulações podem ser classificadas, em mono axial, biaxial e tri axial. Quando uma articulação realiza movimento apenas em torno de um eixo diz que é mono axial, ou seja, apresenta um grau de liberdade de movimento.

Assim as articulações que só permitem flexão e extensão como a do cotovelo, são mono axiais. Quando uma articulação realiza movimento em torno de dois eixos diz que é biaxial, ou seja, apresentam dois graus de liberdade de movimento. Assim as articulações que permitem flexão e extensão, adução e abdução como a rádio cárpica ou articulação punho, são biaxiais.

O movimento de uma articulação entorno de três eixos


Quando uma articulação realiza movimento entorno de três eixos diz que é tri axial, ou seja, apresentam três graus de liberdade de movimento. Assim as articulações que permitem flexão e extensão, adução e abdução e rotação como as articulações do ombro e quadril, são tri axiais. Para classificar morfologicamente uma articulação vai depender das formas das superfícies articulares, ou seja, do tipo de encaixe ósseo.

As articulações podem ser classificadas, em planas, gínglimo, trocoidea, elipsoide, selar e esferoide. As articulações planas apresentam as superfícies opostas dos ossos, planas ou quase planas. Permite o movimento de deslizamento em qualquer direção, porém, bem limitado por apresentar cápsulas firmes. Então o movimento é discreto com amplitude reduzida. São exemplos, as articulações acrômio clavicular, sacro ilíaca, entre os ossos do carpo e tarso.

Quais são as articulações gínglimo?


As articulações do tipo gínglimo ou dobradiça refere mais ao movimento do que a forma da superfície articular, ou seja, é uma exceção. Permite apenas o movimento de flexão e extensão sendo classificado em mono axial. Exemplo típico é a articulação do cotovelo que lembra um carretel. As articulações do tipo trocoidea ou pivô apresentam superfície articular cilindroide. Permite apenas o movimento de rotação sendo classificado em mono axial. São exemplos, a articulação atlante axial e radio ulnar proximal e distal.

As articulações do tipo elipsoide ou condilar apresentam superfícies articulares elípticas. Permite o movimento de flexão e extensão, abdução e adução sendo classificado em biaxial. São exemplos, a articulação rádio cárpica (punho), têmpora mandibular e metacarpo falangiana.  As articulações tipo selar apresentam superfícies articulares em forma de sela, com concavidade em uma superfície e convexidade em outra. Permite o movimento de flexão e extensão, abdução e adução, é classificada em biaxial.

Apenas para lembrar que, pode ser feito as combinações desses movimentos em uma sequência circular (circundação). Exemplo único é a articulação carpo metacárpica do polegar.

Entendendo as articulações esfeiróides

As articulações tipo esferoide apresentam superfícies articulares em forma de esfera que se encaixam em estruturas ósseas ocas. Permite o movimento de flexão e extensão, abdução e adução, rotação e circundação, são classificadas em tri axial. Movimenta-se em qualquer direção. Exemplos, as articulações do ombro e quadril.

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso blog, conheça os nossos cursos e continue nos acompanhando.  

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema