Especializações da membrana plasmática

A membrana celular é a fronteira biológica que delimita o perímetro da célula, separando o meio intracelular do extracelular. A membrana celular, que envolve todas as células, não é totalmente impermeável, constituindo uma barreira seletiva que permite a troca de algumas substâncias entre o exterior e interior. Nas células eucarióticas permite também o suporte do citoesqueleto que dá forma à célula, e a ligação à matriz extracelular/parede e outras células permitindo a formação de tecidos.

O isolamento de membranas plasmáticas através de técnicas especiais permitiu identificar os seus constituintes. As membranas podem-se considerar complexos lipoproteicos, constituídos por proteínas, lipídios e glicídios, variando em quantidade de célula para célula.

• Proteínas: de composição e funções diversas, as proteínas das membranas podem ter funções estruturais, intervir no transporte de substâncias através da membrana, ou atuar como receptores de sinais moleculares (por exemplo,de hormônios).

• Lipídios: maioritariamente fosfolípides (lipídios complexos associados a um grupo fosfato, com uma extremidade hidrofóbica – polar e outra hidrófila – apolar), e em menor quantidade colesterol e glicolipídios (lipídios associados a glicídios).

A bicamada de lipídios – unidade estrutural básica de todas as membranas biológicas. A Barreira que previne os movimentos aleatórios de entrada e saída de materiais solúveis em água.

• Glicídios: situam-se no lado externo da membrana e são importantes no reconhecimento de substâncias por parte da célula.

• Glicocálix (glicocálice): O glicocálix é um envoltório, uma camada externa à membrana, presente em células animais, formada por uma rede frouxa de carboidratos que recobre a membrana plasmática. Protege a célula contra agressões físicas e químicas, retém nutrientes e enzimas e participa do reconhecimento intercelular.

Organização da membrana plasmática:

– Bicamada Fosfolipídica;

– Proteínas: encaixadas entre os fosfolipídios;

– Moléculas de colesterol: relacionadas a maior ou menos fluidez da membrana;

– Glicoproteínas e glicolipídios, formam o glicocálix, que tem como função a proteção da membrana plasmática e o reconhecimento celular.

Em algumas células, a membrana plasmática apresenta modificações ligadas a uma especialização de função. Algumas dessas diferenciações são bem conhecidas nas células da superfície interna do intestino.

Cada célula do nosso corpo tem a função de realizar determinadas funções no nosso organismo. Para isso, a membrana sofre três tipos de especializações:

Especializações da membrana plasmática


Microvilosidades: São dobras na membrana plasmática na superfície das células intestinais que aumentam a superfície de contato e, consequentemente, aumentam a absorção de nutrientes.


Desmossomos: São estruturas formadas pelas membranas de duas células adjacentes. Aumentam a adesão entre as células, formando um revestimento contínuo.

Interdigitações: São dobras nas membranas plasmáticas limítrofes de duas células. Como os desmossomos, estão relacionadas ao grau de adesão das células.

Permeabilidade seletiva:

O transporte de substâncias que há entre a célula e o meio extracelular pode ser classificado em de 2 grandes grupos de transportes celulares:

• Transporte passivo: sem gasto de energia, ou seja, certas substâncias podem atravessar a membrana espontaneamente;

• Transporte ativo: com gasto de energia, ou seja, a membrana também é capaz de absorver ou de expulsar ativamente substâncias, bombeando-as para dentro ou para fora da célula.

Gostou do nosso conteúdo e ficou interessado em saber mais? Continue acompanhando o conteúdo do portal e venha conhecer os nossos cursos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema