Ética: conceitos, aplicações, e seus desdobramentos atuais


Partindo do significado etimológico da palavra, a palavra ética surgiu do grego “ethos” sendo traduzido para o latim como “morale”. “A ética, como expressão única do pensamento correto, conduz à ideia da universalidade moral, ou ainda, à forma ideal universal do comportamento humano, expressa em princípios válidos para todo pensamento normal e sadio”. (Plácido, 2000: 24).

O que é ética?

Ética como um conjunto de ideias Universais ajuda-nos a entender sua importância nas relações, e nas mútuas “afetações” diárias, “Nenhum homem é uma ilha”. Esta famosa frase do filósofo inglês Thomas Morus, mostra que o ser humano não é um ser isolado, e, portanto têm seus convívios, Aristóteles fundamenta a tese dizendo: “o homem é um animal político” (Zoôn politikón), daí concepção de sociabilidade natural, na qual requer aplicações éticas, entendendo como uma ação prático onde o princípio moral é a legislação universal, dada pelo convívio e relação, onde diretamente está ligada uma mútua afetação, ressalta Kant: “Age de modo que a máxima da tua vontade possa valer sempre como princípio de legislação universal”, (Crítica da Razão Prática).

Daí a ética do Dever, Imperativo Categórico, sintético a priori, universal e necessário, onde a razão por si só é capaz de mover a vontade. Se puder ser universalizado, é porque é moral, e eu devo fazer (sempre tendo como base, princípios universais/relação social).

Ética, conceitos e aplicações dos Gregos antigo

Ética Socrática

Sócrates, Sokrátes; Atenas, c. 469 a.C. – Atenas, 399 a.C.)1 foi um filósofo ateniense do período clássico da Grécia Antiga. Ética Socrática é aquela caracterizada por bom caráter e valores morais. A posição ética de Sócrates argumenta que o homem não é mal, mas é ignorante. Esse ponto de vista é chamado de “intelectualismo moral” e afirma que a virtude pode ser conhecida e, acima de tudo, pode ser ensinada, no princípio do “eu”.

Ética Sofista

Os “sofistas” (consiste, em uma visão relativa de mundo/ Sofística era originalmente o termo dado às técnicas ensinadas por um grupo altamente respeitado de professores retóricos na Grécia antiga) representam ponto de vista antagônica, pois eles afirmam que só vale o que é “útil”, é tudo sobre a “habilidade” para defender um argumento, independentemente do conteúdo argumentado… Os sofistas pregam o relativismo radical sobre conceitos como “valor” e “verdade” que são fundamentais para a Sócrates, sendo o homem a medida de todas às coisas, para os sofistas, como afirmou o próprio sofista Protágoras, sendo o protagorismo a carta magna para o posterior relativismo no ocidente.

Ética Platônica

A ética, segundo Platão (filósofo e matemático da Grécia antiga, Atenas, 348/347 a.C) deve ter por base a ideia da ordem ou da justa proporção que consiste em equilibrar elementos diversos que desemboquem no mesmo fim. Por exemplo, a justa medida entre o prazer e a inteligência, é por meio deste equilíbrio que as ações humanas atingem o bem.  O bem na concepção platônica, não são as coisas materiais, mas tudo aquilo que permita o engrandecimento da alma, por isso, ele ensina que o homem deve desprezar os prazeres, as riquezas e as honras em vista da prática das virtudes.

Ética Aristotélica

A ética aristotélica ( Aristóteles, filósofo grego, aluno de Platão e professor de Alexandre, o Grande, 384 a.C. — Atenas, 322 a.C.) consiste no Imperativo Hipotético, onde visa um fim, fim no qual é a felicidade.

Ética- Estoicismo

concepções éticas: deve-se “viver conforme a natureza”: sendo a natureza essencialmente o logos, essa máxima é prescrição para se viver de acordo com a razão. Sendo a razão aquilo por meio do que o homem se torna livre e feliz, o homem sábio não apreende o seu verdadeiro bem nos objetos externos, mas usando estes objetos através de uma sabedoria pela qual não se deixa escravizar pelas paixões e pelas coisas externas.

Ética- Epicurismo

Epicurismo ( escola de filosofia helenística fundada em Atenas  por Zenão de Cítio no início do século III a.C). A finalidade de sua ética consiste em propiciar a felicidade aos homens, de modo que essa possa libertá-los das mazelas que os atormentam, quer advenham de circunstâncias políticas e sociais, quer sejam causadas por motivos religiosos.

2. Ética no período Medieval:

“Ética Cristã”, ética na qual entende-se como forma de manifestação das representações por derivações verticais/ divinas, sendo os mandamentos supremos que passam a atuar como reguladores do comportamento humano, mandamentos esses que oriunda as regras de condutas- morais e éticas- procedentes de Deus e apontam para Deus como fim último. Ordem de caráter sobrenatural, o que só lhe é possível, quando passado a viver segundo a revelação divina.

3. Algumas concepções de Ética na Modernidade:

Segundo Rousseau, o homem é bom por natureza e seu espírito pode sofrer aprimoramento quase ilimitado. Para Kant, ética é a obrigação de agir segundo regras universais, comuns a todos os seres humanos por ser derivadas da razão.

O fundamento da moral é dado pela própria razão humana: a noção de dever. O reconhecimento dos outros homens, como fim em si e não como meio para alcançar algo, é o principal motivador da conduta individual. Hegel divide a ética em subjetiva ou pessoal e objetiva ou social.

A primeira é uma consciência de dever; a segunda, formada por costumes, leis e normas de uma sociedade. O Estado reúne esses dois aspectos em uma “totalidade ética”. Nietzsche critica a moral tradicional, derivada da religião judaico-cristã, pelo fato de subjugar os instintos e as paixões à razão. Essa é a “moral dos escravos”, que nega os valores vitais e promove a passividade e o conformismo, resultando no ressentimento.

Em oposição a ela, propõe a “transvaloração de todos os valores”, que funda a “moral dos senhores”, preconizando a capacidade de criação, de invenção, de potência. O ser humano que assim consegue superar-se é o super-homem, o que transpõe os limites do humano.

4. Ética na sociedade atual:

A ética em seus moldes atuais, mesmo que com princípios universais, tem se tornado, e tendi a se tornar “subjetiva” e “relativa” não dando para descrever uma ética em sua moral prática absoluta. Partindo de três perguntas básicas, podemos perceber a subjetividade implicada na ética-moral.

  • O que posso fazer?
  • O que devo fazer?
  • O que quero fazer?

Tem coisas que eu posso, mas não devo, tem coisas que eu devo, mas não quero, e coisa que eu quero, mas não posso, eis a problemática, na qual no campo das decisões práticas, e tomado às decisões subjetivas e relativas- valorando-se o interesse pessoal.

Onde o indivíduo tem o seu próprio juízo, critério de julgamento e avaliação. É dentro dessa perspectiva que o filósofo inglês Bertrand Russell (1872-1970) afirma que a ética é subjetiva, não contendo afirmações verdadeiras ou falsas. Defende, porém, que o ser humano deve reprimir certos desejos e reforçar outros se pretende atingir a felicidade ou o equilíbrio.

Como reação a essas posições, o novo iluminismo, representado por Jurgen Habermas (1929-), desenvolve a Teoria da Ação Comunicativa, dentro da qual fundamenta a ética discursiva, baseada em diálogo, por sujeitos capazes de se posicionar criticamente diante de normas. É pelo uso de argumentos racionais que um grupo pode chegar ao consenso, à solidariedade e à cooperação.

Portanto…


A questão ética e sua aplicação moral, sempre estarão presentes no cotidiano humano, e independente de sua raiz de influência filosófica, ou sua gênese, como princípio de origem, ela fará parte da sociedade como um todo, e ao longo da história, a ética sempre foi um tema por excelência, devendo ser discutido e relevado as atitudes morais de nossa sociedade, e por mais subjetivista e relativista que a ética se mostre em suas aplicações contemporânea, não se pode prescindir princípios universais, e aplicações morais, onde seja valorizada a relação humana em sociedade, na ocupação no universo, na relação com a natureza, ético nada mais é do que agir direito, proceder bem, sem prejudicar os outros.

É ser altruísta, é estar tranquilo com a consciência pessoal. “É cumprir com os valores da sociedade em que vive, ou seja, onde mora, trabalha, estuda etc.”. Ética é tudo que envolve integridade, é ser honesto em qualquer situação, é ter coragem para assumir seus erros e decisões, ser tolerante e flexível. E se possível contemporaneamente falar em ética subjetiva/ relativa, não absoluta; que o ser ético tenha a máxima: “Todo ser ético reflete sobre suas ações.”


Gostou do artigo? Inscreva-se no blog, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área de Conhecimentos Gerais.

Mais artigos sobre o tema