Evolução de Enfermagem

Com a Resolução COFEN 358/2009, o termo Evolução de Enfermagem foi substituído por Avaliação de Enfermagem. A resolução anterior, n° 272/2002, revogada por essa, definia Evolução como o registro feito pelo enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente e que desse registro deveriam constar os novos problemas identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subsequentes.

Essa definição restringia a avaliação de enfermagem ao ambiente hospitalar e, mais especificamente, às unidades de internação, pois os serviços como de Emergência e Centro Cirúrgico não poderiam esperar 24 horas para avaliar as ações de enfermagem para avaliar o paciente. Com a nova definição de avaliação esta abrange todos os locais onde existe assistência de enfermagem, seja no âmbito hospitalar ou não, pois a avaliação das ações de enfermagem tanto pode ser imediata como pode ter um prazo de 15 dias ou mais, como no caso das ações dos programas de Estratégia da Saúde da Família.

Avaliação de Enfermagem é o processo deliberado, sistemático e contínuo de verificação de mudanças nas respostas da pessoa, família ou coletividade humana em um dado momento do processo saúde-doença, para determinar se as ações ou intervenções de enfermagem alcançaram o resultado esperado, e de verificação da necessidade de mudanças ou adaptações nas etapas do Processo de Enfermagem.

As terminologias Avaliação e Evolução aparecerão no texto com o mesmo significado, pois os autores consultados, bem como a prática diária nos remetem aos referidos termos. A Evolução de Enfermagem consiste na análise diária das respostas do paciente frente às intervenções de enfermagem, em função de resultados atingidos.

As respostas do paciente são expressas diante de cada diagnóstico. O objetivo é nortear o planejamento da assistência a ser prestada ao cliente e informar o resultado das condutas de enfermagem implementadas. O enfermeiro desenvolve a avaliação e afere os resultados da intervenção, possibilitando uma retroavaliação contínua na intervenção necessária ao alcance dos resultados esperados.

Por intermédio da Evolução de Enfermagem, evidenciam-se os efeitos, as repercussões e os benefícios dos cuidados prestados em relação a determinados parâmetros preestabelecidos, possibilitando indicar a suspensão, modificação ou manutenção da Prescrição de Enfermagem anterior. É um importante instrumento para o enfermeiro saber se realmente a assistência prestada ao cliente está sendo eficaz ou ideal. Este é o momento no qual ocorre a avaliação propriamente dita deste cliente.

A evolução é o registro feito pelo enfermeiro após a avaliação do estado geral do paciente. Nesse registro devem constar os problemas novos identificados, um resumo sucinto dos resultados dos cuidados prescritos e os problemas a serem abordados nas 24 horas subsequentes. O conhecimento técnico científico do profissional enfermeiro acerca da patologia do cliente é fundamental para uma evolução de enfermagem. Portanto, quanto mais o enfermeiro estiver instrumentalizado, maior será sua habilidade em evoluir e buscar soluções aos problemas apresentados. Os principais instrumentos que o enfermeiro dispõe para a realização da Evolução de Enfermagem consistem na observação, avaliação e comunicação.
Observação: saber o que e como observar. Segundo HORTA (1970), a observação é a ação ou efeito de observar, isto é, olhar com atenção para examinar com minúcia.

Avaliação: É utilizada para subsidiar a manutenção e a necessidade de reformulação e ajuste no planejamento da assistência. A Avaliação é o ato de fazer um levantamento ou verificação dos procedimentos de Enfermagem realizados e dos resultados obtidos no atendimento das necessidades básicas da pessoa humana.

Comunicação: É o contato com o cliente, realizado pela equipe de enfermagem e pela equipe de saúde. É utilizada pelo enfermeiro durante a avaliação do cliente, com objetivo de coletar dados para a realização da evolução, direcionando, a partir daí, as ações de enfermagem. O enfermeiro deve desenvolver habilidades e aprimorar-se para fazer uso da comunicação não verbal, além da verbal, para interagir com o cliente, obtendo assim resultados positivos no desenvolvimento das ações de enfermagem.
O registro dos dados levantados por meio do histórico de enfermagem é fundamental para o registro da evolução, pois por meio deste instrumento são colhidas as primeiras informações sobre o cliente e é a partir dele que serão direcionadas as ações de enfermagem, servindo inclusive como instrumento para comparação da real “evolução” do cliente.

Para a elaboração de uma evolução, alguns pontos devem ser adotados como normativos, a fim de facilitar seu entendimento e a comunicação entre a equipe e o cliente. Deve-se estabelecer um roteiro para o registro das informações, além da clareza e objetividade do texto.

• Na evolução de alta é essencial conter informações acerca das condições físicas e emocionais do cliente, todas as orientações emanadas e o retorno à consulta de enfermagem além da contra referência;

• Na evolução do óbito devem estar registradas as condições que levaram ao óbito, procedimentos realizados e o destino dado ao corpo, além das orientações fornecidas aos familiares;

• Nas evoluções de transferência interna e externa devem estar registrados todos os dados essenciais para nortear o planejamento e possibilitar a continuidade da assistência.
São diretrizes para a avaliação de enfermagem:

• A evolução de enfermagem deverá ser realizada pelo profissional enfermeiro, já que necessita de raciocínio clínico e conhecimentos mais aprofundados.
• Deve ser precedida de data e hora e concluída com assinatura e carimbo do enfermeiro. O impresso próprio deve ser um facilitador, devendo ainda possibilitar a ciência dos demais membros da equipe de saúde, no entanto não é fator essencial, podendo ser realizado em impresso simples, desde que componha o prontuário do cliente;

• Necessário realizar a evolução diariamente, pelo enfermeiro, para todos os pacientes, quer internados ou em observação, devendo ser refeito ou complementado quando ocorrer alterações no estado do cliente;

• Na elaboração da evolução faz-se necessário que o enfermeiro realize ou tenha amplo conhecimento do Histórico, Exame Físico, Prescrições anteriores, Anotações da equipe de Enfermagem, prescrições médicas, condutas estabelecidas por demais membros da equipe de saúde e respectivos resultados de exames complementares;

• A evolução deve comparar dados anteriores, reflexões e análise dos cuidados ministrados versos à resposta do cliente;
A evolução deve conter as indagações:

• As metas e os objetivos foram atingidos?

• Houve modificações identificáveis no comportamento do cliente?

• Em caso positivo, por quê?

• Em caso negativo, qual a razão?
Essas indagações auxiliam o profissional na determinação dos problemas que foram solucionados e daqueles que precisam ser reavaliados e replanejados.
• São indicadores de avaliação: ausente, presente, mantido, melhorado, piorado, resolvido. Tipos de evolução: diária, complementar ou de alta.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema