Fibras colágenas do tecido conjuntivo

Para que possamos abordar de maneira correta as fibras colágenas do tecido conjuntivo, e construir o conhecimento de maneira linear, faz-se necessário abordarmos primeiramente o tecido conjuntivo.

Estruturalmente o tecido conjuntivo possui três componentes: células, fibras e substância fundamental. A variação na qualidade e quantidade destes componentes define os diferentes tipos de tecido conjuntivo. Enquanto os demais tecidos (epitelial, muscular e nervoso) têm como constituintes principais as células, no tecido conjuntivo predomina a matriz extracelular, formada pela substância fundamental e pelas fibras. Pode-se entender que sua matriz é de uma massa amorfa, com aspecto gelatinoso e transparente. 

As fibras constituintes do tecido conjuntivo são formadas por proteínas cujas estruturas se polimerizam, de modo a formar estruturas alongadas. Os principais tipos de fibras encontradas no tecido conjuntivo são as colágenas, as reticulares e as elásticas.
Essas fibras se organizam em dois sistemas de fibras, o sistema colágeno, que engloba as fibras colágenas e reticulares, e o sistema elástico, formado por fibras elásticas, elaunínicas e oxitalânicas. A distribuição dos tipos de fibras varia de acordo com o tipo de tecido conjuntivo em estudo, de forma que o principal tipo de fibra encontrada é que determinará as propriedades do tecido.
O colágeno é a proteína mais abundante no organismo, constituindo cerca de 30% do seu peso seco. Essa família de proteínas é sintetizada por diferentes tipos celulares, e apresentam composição química, características morfológicas, distribuição, funções e patologias distintas, sendo formadas atualmente por mais tipos geneticamente diferentes.
Esses tipos de colágeno podem ser classificados de acordo com sua estrutura e função, a saber: colágenos que formam longas fibrilas (tipo I, II, III, V e XI), colágeno associado a fibrilas (tipos IX e XII), colágeno que forma rede (tipo IV) e colágeno de ancoragem (tipo VII).
As fibras de colágeno tipo I são as mais frequentes no tecido conjuntivo e apresentam coloração branca no seu estado fresco. Apresentam grande resistência à tração e são inelásticas. Dos três tipos de fibras são as mais calibrosas. Nos cortes corados pela hematoxilina e eosina (HE) elas se coram em rosa-claro pela eosina; coram-se em vermelho pelo tricrômico de Van Gieson, em azul pelo tricrômico de Mallory e em verde pelo tricrômico de Masson. Ocorrem isoladas ou em feixes e apresentam um curso retilíneo ou levemente ondulado.
Cada fibra colágena é composta de agregados paralelos de várias fibrilas. As fibrilas possuem de 20 a 90 nanômetros de espessura e são de comprimento indefinido, e cada fibrila é composta por feixes de microfibrilas paralelas.
As microfibrilas só podem ser vistas ao microscópio eletrônico. Cada microfibrila é composta quimicamente por moléculas de tropocolágeno, polimerizadas. A molécula de tropocolágeno é formada por três cadeias polipeptídicas, chamadas unidades alfa que apresentam uma configuração helicoidal e estão enrolada, uma em torno da outra da esquerda para direita. As três cadeias são conectadas por pontes de hidrogênio e interações hidrofóbicas. Posteriormente, ligações covalentes também reforçam esta estrutura. O colágeno é produzido por diversos tipos celulares como fibroblasto, osteoblasto, odontoblasto, condrócito e célula muscular lisa

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema