Fisiologia Geral – Líquidos: extracelular e intracelular

A troca de nutrientes e dejetos entre o sangue e os tecidos é realizada por uma extensão de capilares, equivalente a aproximadamente 700 metros quadrados.

Aquelas trocas requerem a presença da água, como o meio nobre em que as células vivem e realizam as suas funções; a permanência da água nos diferentes compartimentos do organismo depende da presença de um teor adequado de diversos eletrólitos.

Digestão Intracelular

As esponjas são animais pluricelulares aquáticos, cuja organização se limita a tecidos. Isto significa que seu corpo é formado por alguns conjuntos de células com funções mais ou menos definidas, sem, no entanto, constituírem qualquer órgão ou sistema.

Sendo organismos fixos, a água tem para elas papel fundamental, pois trás partículas de alimentos que penetram por poros ligados a uma cavidade interna, onde são fagocitadas por células flageladas especiais, os coanócitos. Portanto, o alimento não é digerido no interior de uma cavidade digestiva, mas diretamente dentro das células.

Entendendo a diferença entre Extracelular e Intracelular

As alterações da distribuição da água e dos eletrólitos são bastante comuns e podem levar a complicações de extrema gravidade, ou mesmo determinar a morte do indivíduo. A circulação extracorpórea pode produzir distúrbios da composição hídrica e eletrolítica do organismo, capazes de gerar numerosas complicações.

O reconhecimento das principais funções desempenhadas pela água e pelos eletrólitos é fundamental para a prevenção das complicações e suas sequelas.

A água corresponde à maior parte do peso dos indivíduos. Em um neonato, a água corresponde a cerca de 75 a 80% do peso. Aos 12 meses de idade, o teor de água do organismo é de 65% e na adolescência alcança o valor de 60% no sexo masculino e 55% no feminino, que se mantém na vida adulta.

Essa pequena diferença deve-se à maior quantidade de tecido gorduroso no organismo feminino. O tecido gorduroso tem um baixo teor de água em relação aos músculos e aos órgãos internos.

Digestão Extracelular

Quando o organismo apresenta em sua organização um tubo digestivo, e o alimento é digerido antes de ser absorvido celas células, a digestão é chamada extracelular, pois se completa fora das células.

Os primeiros animais, na escala zoológica, a apresentarem cavidade digestiva vivem na água e são chamados celenterados (do grego koilos = oco + enteron = intestino). Entretanto, essa cavidade tem só uma abertura — a boca — por onde são também eliminados os resíduos da digestão.

São exemplos de celenterados: as hidras da água doce e as medusas e corais marinhos. Eles não fazem apenas digestão extracelular; depois que o alimento é desdobrado em partículas menores, estas são englobadas por células que revestem a cavidade digestiva, onde a digestão termina.

A água do organismo está distribuída em dois grandes compartimentos: o intracelular e o extracelular. A água do interior das células (líquido ou compartimento intracelular) corresponde a cerca de 40% do total do peso do indivíduo, enquanto a água do líquido extracelular corresponde a 20%. O compartimento extracelular corresponde à água do plasma sanguíneo (4%) e à água do líquido intersticial (16%).

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso artigo, conheça os artigos da área e continue nos acompanhando.  

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema