Parasitologia: O que são?

As parasitoses são a doença mais comum do mundo, atingindo cerca de 25% da população mundial (1 em cada 4 pessoas) e a maioria delas estão diretamente relacionadas a populações vulneráveis pela precariedade sanitária e a pobreza.

Um parasita é um organismo que vive em associação com um hospedeiro.  Sem esse hospedeiro, o parasita não pode viver, crescer e se multiplicar. Os parasitas possuem uma diversificação muito grande, 70% são invisíveis ao olho humano, como o parasita da malária, enquanto outros, como os vermes, podem atingir mais de 30 metros de comprimento.

O que são os parasitos?


Os parasitos são organismos que vivem em associação com outros (hospedeiros), retirando destes, os meios para sua sobrevivência, processo conhecido como parasitismo.

Dentre os parasitos temos representantes dos protozoários (ex: Giardia lamblia), nematódeos (ex: Ascaris lumbricoides), trematódeos (ex: Schistosoma mansoni), cestódeos (ex: Taenia solium), acantocéfalos (ex: Macracantorhynchus ingens) e artrópodes (ex: Culex quinquefasciatus).


Entendendo a classificação

Os parasitos podem ser classificados de acordo com a parte do corpo do hospedeiro que atacam:


– Ectoparasitos: parasitam a parte exterior do corpo do hospedeiro. Ex: pulgas, piolhos;
– Endoparasitos: parasitam a parte interior do corpo do hospedeiro. Ex: lombrigas e solitárias; – Hemoparasitos: parasitos que vivem na corrente sanguínea do hospedeiro. Ex. Trypanosoma cruzi.

A classificação dos hospedeiros


Os hospedeiros podem ser classificados como:

– Hospedeiros definitivos: são aqueles que abrigam a forma adulta do parasito;
– Hospedeiros intermediários: são aqueles que abrigam a forma larval do parasito;
– Hospedeiros paratênicos: também chamados de hospedeiros de transporte, são aqueles que apenas transportam o parasito, não havendo desenvolvimento do mesmo.

Como os parasitos se alimentam?

Os parasitos precisam recolher nutrientes para sua alimentação e agem sob diversas formas em seus hospedeiros:
– Ação espoliativa: absorvem sangue e nutrientes dos seus hospedeiros;
– Ação enzimática: produzem enzimas que dissolvem partes do corpo dos seus hospedeiros;
– Ação irritativa: causam irritação no local parasitado;
– Ação mecânica: podem interferir no fluxo alimentar e na absorção dos alimentos;
– Ação tóxica: produzem substancias que podem ser toxicas para o hospedeiro;
– Ação traumática: produzem lesões nos tecidos dos hospedeiros;
– Anóxia: podem consumir oxigênio presente nas hemoglobinas e causar anemias.

A presença de parasitos e consequentemente de doenças parasitárias, está intimamente relacionada com o meio ambiente.

A falta de higiene e saneamento básico aumenta gradativamente a presença de parasitos e de pessoas doentes. Muitas parasitoses, como Enterobius vermicularis, podem ser controladas apenas com ações de higiene coletivas e individuais.

Como evitar os parasitas no organismo?


Para evitar as parasitoses, basta inserir no cotidiano algumas medidas básicas como:


– Ingerir água filtrada ou fervida;
– lavar bem frutas e verduras antes de ingeri-las;
– evitar andar descalço;
– combater/afastar moscas do ambiente;
– lavar as mãos antes de comer;
– promover saneamento básico nas comunidades.

Gostou do artigo? Inscreva-se, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema