Plantas Tóxicas que podem ocasionar distúrbios cutâneos e na mucosa

Os distúrbios mais comuns produzidos pelos vegetais são a dermatite (inflamação da pele), sendo que em muitos casos a produção do mecanismo seja mista, e neste caso comumente reconhece-se o vegetal que ocasionou a lesão, estas podem ser identificadas por:


O que são traumas mecânicos?

As dermatites ocasionadas pelo contato direto com os órgãos de defesa do vegetal, ou seja, espinhos, pelos, bordas cortantes ou serrilhadas das folhas.


É muito comum o acidente provocado por lesão mecânica, quem nunca se cortou com uma folha de cana de açúcar ou espetou-se com um acúleo (espinho) de roseira, espinho de laranjeira ou limoeiro, mas quando se trata de espinhos de plantas das famílias das Euforbiáceas, como colchão de noiva, também chamado de coroa de cristo, o látex secretado pode ocasionar infecções secundárias na pele, com coceira e irritação.


Irritação química

As plantas muitas vezes produzem substâncias para suas defesas contra ataques não só do homem, mas também dos animais, quando estes entram contato principalmente com suas folhas, onde existem os que chamamos de pelos de defesa, estes arrebentam e colocam em contato com a pele substâncias irritantes, o caso mais comum é o da Urtiga dioica (urtiga brava), onde apresentam nas suas folhas pelos glandulares cheios de ácido fórmico (ácido das formigas), onde em contato com os pelos, arrebentam liberando assim o ácido na pele, provocando queimaduras irritativas, que podem levar a infecções secundárias, sendo ás vezes necessário tratamento médico dependendo da extensão da lesão provocada.


Outros exemplos são as cascas do limão e laranja, quando espremidos libera na pele um óleo que possui componentes como o bercapteno, que produzem queimaduras na pele, principalmente quando tomamos sol sobre a pele que se encontra o óleo, para estes acidentes aconselhamos não os lavar com água e sabão, mas com óleo, que pode ser até o de cozinha, pois estes são insolúveis em água, mas solúveis nos óleos.


Algumas espécies de crisântemos, muito comuns em floriculturas, apresentam também em suas folhas e galhos, substâncias irritantes, logo devemos ter muito cuidado ao pegarmos um vaso com estas flores, sem sabermos a espécie que estamos comprando.


Existe ainda outra espécie ornamental que podem causar os mesmos problemas, é o caso das Prímulas, existe no mundo cerca de 150 espécies desta planta, uma delas a Prímula obconica (não apresenta nome popular, são conhecidas apenas por prímulas), é a mais comum.


Mesmo as da família Euforbiáceas, o seu látex em contato com a pele provoca queimaduras com lesões que podem ocasionar infecções secundárias. O caso mais comum de irritação é o Dieffenbachia picta (comigo ninguém pode), planta comum nas casas, ornamentando não só os jardins, mas também o interior delas.

Tanto as folhas como o caule deste vegetal, apresentam dentro dele pequenos cristais em forma de agulhas de oxalato de cálcio, é tão pequeno que só nos é permitido vê-los ao microscópio. Quando um animal ou homem, principalmente crianças mordem qualquer destas partes do vegetal, os micros cristais entram na mucosa (boca e garganta), provocam uma irritação terrível, estes incham e começam a bloquear a respiração, neste caso o tratamento deve ser imediato e feito por médico.


Existem outros vegetais da mesma família, caso típico das Aráceas, também chamadas de jiboias, muito comum em vasos, com água apenas em nossas casas, elas apresentam também o oxalato de cálcio, e podem ocasionar os mesmos acidentes.

Copo de leite pode causar irritação na pele?


Uma outra planta também muito comum em nossos jardins é o chamado, Copo de Leite, aqueles que apresentam flores antigamente brancas e hoje com cores variadas. Também apresenta no seu interior os cristais aciculares de oxalato de cálcio, provocando os mesmos acidentes do Comigo Ninguém Pode.


Devido a isso, estas plantas não são recomendadas, tanto nos jardins públicos como dentro de casa.


Às vezes por mais comum que seja o vegetal não notamos que pode ser causador de acidentes, vejamos o caso do caju, Anacardium occidentale L., esclarecemos que é um pseudofruto, pois o que comemos nada mais é que o pedúnculo (cabinho onde prende o fruto ao caule), e a semente leva o nome de castanha (castanha de caju), que quando não submetida a um processo de torreificação apresenta uma substância oleosa chamada cardol, que em contato com a pele provoca queimaduras terríveis.

A antigamente foi muito usada para a marcação de escravos, devido às lesões que provocava na pele e não podiam ser removidas.


Sensibilização alérgica

O histórico de hipersensibilidades provocadas por vegetal é muito antigo, muitas pessoas tem uma sensibilidade alérgica à parte de vegetais, o mais comum é o pólen das flores, muitas vezes aparecem os problemas com folhas.


Em muitos casos provocados por pólen podem aparecer lesões eczematosas, pois alguns polens apresentam uma substância resinosa que adere a pele provocando estas lesões.


Estes acidentes são provocados geralmente quando cheiramos uma flor, ou dormimos em um travesseiro de vegetais, existem alguns vegetais que podem provocar estes acidentes somente quando passamos por debaixo deles, o caso mais comum é o da Shinus molle (aroeira) ou Shinus terembentipholium (aroeira perfumada), o seu pólen que é chamado de “pó de mico” ocasiona acidentes com coceiras, pois este é irritativo a pele.

Existem ainda algumas madeiras que provocam alergia, caso comum da Aspidiospermum peroba (peroba rosa), que em certas pessoas também ocasionam problemas de alergia, com coceiras e irritação dos olhos, outra muito comum Machaerium scleroxylon (caviúna vermelha), cujas madeiras são utilizadas na fabricação de móveis e tacos para assoalhos, estas possuem um óleo resina muito irritante, a qual provocam também dermatites, este problema é muito comum em pessoas que trabalham na confecção de móveis e tacos, isto devido à exposição contínua no trabalho diário realizado.



Fotossensibilisação

Alguns vegetais apresentam como componentes químicos o que chamamos de furocumarinas ou furanocumarinas, muito conhecido hoje por serem substâncias que partimos para a obtenção de medicamentos utilizados no tratamento do vitiligo, são também conhecidos com o nome de psoralenos.


Os vegetais mais comuns que podem provocar estes acidentes são: Citrus bergamia (tangerina bergamota), Ruta graveolens (arruda) e Fícus carica (figo), este último ocasionou inúmeros acidentes quando suas folhas foram incorporadas a bronzeadores.


Alergias respiratórias provocadas por vegetais

São processos provocados por alergênos (substâncias que provocam alergia), isto é muito comum em cidades que tem indústrias que fabricam óleo comestível ou industrial.


Algumas cidades do estado de São Paulo possuem indústrias que produzem óleo de mamona, na sua purificação elimina-se a substância tóxica, onde são jogadas no ar, e quando inaladas por algumas pessoas provocam crises de bronquites ou mesmo asma.

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso blog, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema