Trauma musculoesquelético: O que são?

Lesões musculoesqueléticas ou de extremidades são muito comuns. Pequenos acidentes domésticos, recreativos ou esportivos levam a esse tipo de lesão, na maioria das vezes, sem maiores conseqüências.
Você mesmo, certamente, em algum momento da vida já foi acometido por alguma dessas lesões ou alguém próximo de você, levando a utilização de tala para imobilização, ou gesso, repouso e demais tratamentos que comumente são aplicados nessas situações.
O principal mecanismo pelos quais essas lesões podem representar uma ameaça à vida é a perda sanguínea, que pode causar choque, dano a vasos sanguíneos e nervos. Os tipos de lesões musculoesqueléticas são:

Fraturas abertas e fechadas

Ocorre interrupção na continuidade do osso. Nas fraturas fechadas à pele está intacta, e na fraturas abertas ocorre sobre a lesão de continuidade da pele, que pode ser produzida pelos próprios fragmentos ósseos ou por objetos penetrantes.

Luxações

São lesões em que à extremidade de um dos ossos que compõem uma articulação é deslocada de seu lugar. O dano a tecido mole pode ser muito grave, afetando vasos sanguíneos, nervos, e a cápsula articular.

Entorses

São lesões aos ligamentos. Podem ser de grau mínimo ou grave, causando ruptura completa do ligamento. As formas graves produzem perda da estabilidade da articulação, à vezes, acompanhada por luxação.

Distensões

São lesões aos músculos ou seus tendões, geralmente são causados por hiperextensão ou por contrações violentas. Em casos graves pode haver ruptura do tendão.

Amputações traumáticas

As amputações traumáticas são lesões em que há separação de um membro ou de um uma estrutura protuberante do corpo. Podem ser causadas por objetos cortantes, esmagamentos ou tracionamento. As causas por acidentes industriais e automobilísticos são mais comuns em jovens.

Abordagem e condutas (gerais)

• Avaliar da cena;
• Realizar a sequência ABCDE (Abertura das vias aéreas, Boa ventilação, verificação da Circulação com controle de hemorragias, verificarem Deficits neurológicos e Exposição da vítima prevenindo resfriamentos);
• Imobilização adequada (se lesão óssea, imobilizar incluindo uma articulação acima e uma abaixo; e se lesão articular, imobilizar incluindo um osso em cima e um abaixo);
• Transporte para o centro de saúde de referência (realizar radiografia).

Condutas nas amputações

O tratamento inicial deve ser rápido pela gravidade da lesão, que pode causar a morte por hemorragia, e pela possibilidade de reimplante do membro amputado. O controle ABC é crucial na primeira fase do tratamento.
O membro amputado deve ser protegido com pano limpo e o sangramento comprimido. O uso de torniquete não é recomendado, pois reduz as chances de reimplante com sucesso.
Observar sinais de choque hipovolêmico, devido à hemorragia.
As partes amputadas devem ser enxaguadas com solução salina normal ou água limpa, colocadas em um saco plástico e mantidas frias durante o transporte para o hospital. Não devem ser colocadas em contato direto com gelo.
Transportar a vítima e o membro amputado o mais rápido possível para o hospital. Quanto mais precocemente o atendimento, mais chance tem de reconstituição.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema