Atividades que Desenvolvem Lateralidade

Durante o crescimento, naturalmente se define uma dominância lateral na criança: será mais forte, mais ágil do lado direito ou do lado esquerdo. A lateralidade corresponde a dados neurológicos, mas também é influenciada por certos hábitos sociais (não devemos confundir lateralidade com conhecimento de esquerda e direita) o conhecimento “esquerda e direta” decorre da noção de dominância lateral.

Quando a criança percebe que trabalha naturalmente com aquela mão, guardará sem dificuldade que aquela mão é a esquerda ou a direita (ALVES, 2010).
A lateralidade segundo Oliveira (1997), é a propensão que o ser humano possui, de utilizar preferencialmente, mais um lado do corpo do que o outro em três níveis: mão, olho e pé. Existe a dominância de um dos lados, este apresenta maior força muscular, mais precisão e mais rapidez.

O que é Lateralidade?

De acordo com Negrine (1986), a lateralidade relaciona-se ao esquema interno do indivíduo que o capacita a utilizar um lado do corpo com maior facilidade que o outro, em atividades que exijam habilidade, caracterizando-se por uma assimetria funcional. O autor enfatiza a lateralidade somente quanto à habilidade da mão, do pé e do olho. Já Romero (1988) afirma que a lateralidade deve ser considerada também em nível auditivo.

O conhecimento do processo de lateralização é muito importante para os profissionais da Educação em geral e, em especial, para os atuantes na área de Educação Física; pois, segundo Negrine (1986), o aspecto fundamental no desenvolvimento da lateralidade é que a criança não seja forçada a adotar esta ou aquela postura, mas que se criem situações em que ela possa expressar-se com espontaneidade e, a partir da experiência vivenciada com o próprio corpo, defina o seu lado dominante sem pressões de qualquer ordem do meio exterior.

Lateralidade é a capacidade de se vivenciar as noções de direita e esquerda sobre o mundo exterior, independente da sua própria situação física.

A boa e correta definição da lateralidade caminha junto com uma boa escrita, envolvendo a orientação espacial e temporal. Observar os gestos das crianças em situações do cotidiano, como por exemplo, ao:

a) Recortar: a mão dominante segura à tesoura e a outra o papel;
b) Encher um copo de água, a mão dominante abre a torneira e a outra segura o copo;
c) Pentear o cabelo;
d) Organizar seu material na mochila.

Atividades que desenvolvem

Brincar de Robô:

Material: humano.

Formação: duplas.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.
Desenvolvimento: uma criança é o robô, e seu parceiro é o guia. Auxiliados pela professora, combinam sinais de movimentação do robô. Por exemplo, se o guia tocar o lado esquerdo da cabeça do robô, esse vira para a esquerda; se tocar o lado direito, vira à direita; se tocar o alto da cabeça, o robô abaixa, e assim por diante. Algum tempo depois, invertem-se os papéis, sendo que o guia vira robô, e o robô vira guia. Depois disso, a brincadeira é feita com deslocamentos. As duplas combinam os sinais de movimentação. Por exemplo, um toque na parte de trás da cabeça é sinal para o robô ir adiante; um toque nos ombros é sinal para que ele pare.

Controlar o jornal no pé:

Material: bolinha de jornal.

Formação: em equipe e em coluna.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento:

O aluno deverá ir chutando a bolinha com um dos pés até um ponto determinado e voltar chutando a bolina com o outro pé. Entrega o papel para o próximo colega de sua equipe, que deverá fazer o mesmo e assim sucessivamente.

Variação

O organizador deverá entregar uma bolinha de papel para cada equipe, o primeiro aluno de cada equipe, deverá deslocar em linha reta até um ponto determinado, controlando o papel nos pés, trocando a bolinha do pé direito para esquerdo. Ir e voltar fazendo o mesmo movimento, não podendo chutar o papel, deverá apenas andar. Entrega o papel para o próximo colega de sua equipe, que deverá fazer o mesmo e assim sucessivamente.

Empestade:

Material: giz.

Formação: círculo.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.
Desenvolvimento: desenha-se círculos no chão. O número de círculos deve ser um a menos que o total de participantes. Todos devem ficar dentro dos círculos, com exceção de um integrante. O integrante do centro deve disser: direita – todos devem dar um passo para a direita (trocando de lugar). Esquerda – todos devem dar um passo para esquerda (trocando de lugar). Quando o integrante do centro disser TEMPESTADE , todos devem trocar de lugar, sendo que um integrante ficará de fora. E assim sucessivamente.

Atividade corporal: ZIP, ZAP, ZOP:

Material: humano.

Formação: círculo.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento: Todos os participantes deverão ficar em pé, no centro da sala, em círculo. O professor poderá iniciar o jogo, ficando no centro da roda, de pé, para que os alunos possam ver como se faz a brincadeira. Ao ouvir a música os alunos deverão acompanhar o professor com os movimentos de direita e esquerda. Quando parar a música o professor deverá apontar para um aluno e dizer “ZIP”, então o aluno deverá falar o nome do amigo que estiver no seu lado direito (para melhor compreensão ele ficará com uma fita vermelha na mão direita e azul na esquerda).

Se o professor disser “ZAP”, o aluno deverá dizer o nome do colega da esquerda. Se disser “ZOP”, o aluno responderá seu próprio nome. Quando disser “ZIP, ZAP, ZOP”, todos deverão trocar de lugar no círculo, ficando ao lado de pessoas diferentes, para que possam também conhecer outros alunos e o professor poderá perceber se ele está absorvendo a ideia de direita e esquerda. O professor convidará outro aluno para ficar no centro e sempre que alguém errar a resposta ficará no centro do círculo.

Cãozinho FLIP:

Material: humano.

Formação: duplas.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento: atividade consiste em montar um círculo com todos os alunos sentados. Um aluno voluntário, de olhos vendados, ficará sentado em uma cadeira no meio deste círculo (este representará o cãozinho FLIP). Abaixo da cadeira deverá conter um objeto que faça barulho ao ser manipulado (um molho de chaves, por exemplo). Ao sinal do professor, determinado aluno do círculo, deverá pegar a chave abaixo da cadeira do cãozinho, de modo a fazer o mínimo de barulho possível. O cãozinho (aluno de olhos vendados), percebendo o movimento, deverá latir para o lado onde o som foi emitido. (direita, esquerda, frente ou atrás). Descobrindo o local do som, a sua posição será trocada, ocupando o lugar de cãozinho o aluno que pegou o objeto. A atividade assim dará a sequência.

Caminho:

Material: pés e mãos de cartolina.

Formação: individual.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento: as crianças deverão andar no caminho colocando os pés e as mãos, conforme os desenhos.

Chique – Choque:

Material: Chique Choque e arco.

Formação: fileira.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento: o primeiro aluno da fila pega o chique choque com uma das mãos e desloca até o lugar determina saltando como saci-pererê com a perna oposta a da mão que segura o chique choque, deixa o chique choque dentro do arco e volta correndo, toca no próximo aluno da sua fila este sairá correndo pega o chique choque com uma das mãos e volta saltando de saci com a perna oposta da mão com o chique choque e assim sucessivamente.

O cachorro e o osso:

Material: osso e mascara de cachorro.

Formação: círculo.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento: as crianças ficarão sentadas em círculo e, no centro a criança em destaque, o “cachorro”, que estará com os olhos vendados, tomando conta do “osso”. Ao sinal da professora, uma criança levanta-se silenciosamente e tenta apanha o osso. O cachorro, ao sentir a presença do colega, começará a latir, apontando a direção de onde vem o ruído que indica a aproximação do colega. Se acertar, a criança da roda volta e assenta e outra criança é apontada para a nova tentativa. Se o cachorro errar a direção, a criança vai prosseguindo até apanhar o osso, volta com ele para o seu lugar e esconde-o, colocando as mãos para trás, no qual será imitado por todos os colegas da roda. A professora retira a venda do cachorro, que irá adivinhar com quem está o osso. Se acertar continuará sendo o cachorro, se errar irá ser substituído pelo colega que conseguiu apanhar o osso.

O rabo do leão:

Material: rabo, venda de olhos e desenho de leão sem rabo.

Formação: círculo.

Objetivo: desenvolver a lateralidade.

Desenvolvimento: os alunos em círculo e o desenho do leão no centro, venda o olho de um aluno, realiza duas voltas no aluno em torno de seu próprio eixo, coloca o rabo na sua mão e os colegas irão direcionando o aluno vendado dizendo direita, esquerda até o colega conseguir colocar o rabo no leão, logo após troca de aluno.

Músicas:

Cavalo trotando:

Formação: Alunos em círculo, em pé.
Material: humano.

Objetivo: lateralidade.

Quando quiseres do frio esquentar
Monte em um cavalo e sai a trotar
Cavalo trotando

Uma mão

Uma mão à frente, aberta mexendo.
Quando quiseres do frio esquentar
Monte em um cavalo e sai a trotar
Cavalo trotando
Uma mão, a outra

O outro braço à frente, mexendo os dois braços.
Quando quiseres do frio esquentar
Monte em um cavalo e sai a trotar
Cavalo trotando
Uma mão, a outra, um pé

Começa a bater um pé no chão e continua mexendo os braços.
Quando quiseres do frio esquentar
Monte em um cavalo e sai a trotar
Cavalo trotando
Uma mão, a outra, um pé, outro

Começa a bater os dois pés no chão e mexendo os braços.
Quando quiseres do frio esquentar
Monte em um cavalo e sai a trotar
Cavalo trotando
Uma mão, a outra, um pé, outro, a cabeça

Mexe a cabeça, os pés, os braços.
Quando quiseres do frio esquentar
Monte em um cavalo e sai a trotar
Cavalo trotando
Uma mão, a outra, um pé, outro, a cabeça, o rabinho

Mexe a cabeça, os pés, os braços, o bumbum.

Automóvel:

Formação: Alunos em círculo, em pé.

Material: arcos.

Objetivo: lateralidade.

Automóvel, automóvel (gesto de segurando no volante)
como é bom, como é bom (Fazer gesto de joia)
Virar à direita, virar à esquerda (Virar o corpo para a direita e depois para a esquerda)
Fom Fom Fom. (Aperta o nariz).

Desenvolvimento da percepção espacial:

Tanto na infância quanto na vida adulta, o espaço é um grande desafio, requerendo pleno domínio do sujeito para a perfeita integração do ser ao ambiente. Assim, reconhecer, interferir e agir sobre os espaços (ruas, casas, prédios, entradas e saídas) é um grande desafio do trabalho psicomotor na escola, ao levar a criança a desenvolver-se com autonomia de movimento.

Atividades:

Túnel:

Controle espacial:

Material: bola e pino de boliche.

Formação: em fila com as pernas abertas (em pé).

Desenvolvimento: uma criança em pé na frente do círculo com uma bola na mão, rola a bola no chão por entre as pernas das crianças tentando acertar o pino, após realizar o rolamento entra na fila e outra criança rola a bola por entre as pernas de seus colegas. Continua a atividade até que todos da equipe tenham rolado a bola.

Passar dentro do arco:

Controle espacial:

Formação: em coluna.

Desenvolvimento: a frente de cada fila estarão quatro arcos, o aluno deverá deslocar, passar dentro dos arcos, voltar fazendo o mesmo, tocar no colega que realizará o mesmo e assim sucessivamente.

Arco em pé:

Controle espacial:

Formação: em coluna.

Desenvolvimento: a frente de cada fila, o professor irá segurar o arco em pé, o aluno deverá passar dentro do arco.

Passar por baixo:

Controle espacial:

Formação: coluna.

Desenvolvimento: dois seguram nas extremidades da corda, e balançam, a uma altura de 1m a 1,20m. As crianças deverão passar de lado para o outro sem tocar ou encostar na corda.

5) Idem ao anterior, porém não balança a corda e os alunos deverão passar por baixo, e a altura da corda irá diminuindo.

6) Idem ao anterior, a corda balançando, porém os alunos deverão passar por baixo batendo palma acima da cabeça.

7) Dois seguram nas extremidades da corda, com ela encostada no chão, os alunos deverão saltar a corda. A altura da corda deve ir aumentando gradativamente.

8) Perto, Longe, alto, em abaixo:

Perguntar às crianças as localizações de perto, longe, em cima embaixo:
Exemplo:
A secretaria está perto ou longe?
As folhas das árvores estão em cima ou em baixo?

9) Perto e longe:

Controle espacial:
Material: apito.
Formação: livres pelo espaço.
Desenvolvimento: o professor apita uma vez os alunos devem correr para perto do professor e dizer perto, quando o professor apitar duas vezes os alunos devem distanciar do professor dizendo longe.

10) Corrida do ovo na colher;
11) Corrida do Jornal;

Música:

História da serpente:

“Essa é a história da serpente que desceu do morro, para procurar um pedaço do seu rabo. Você também, você também, faz parte do seu rabão.”
Forma-se uma serpente, que quando for escolhido deverá passar por debaixo das pernas dos integrantes.

O galo e a galinha:

Dois a dois, um de frente para o outro.

O galo e a galinha foram a uma festa em Portugal. (Dançam um forró).
O galo foi de bota e a galinha de avental.
As crianças fazem gesto de calçar a bota (meninos) e colocar o avental (as meninas).
Era de frente para frente (Dar os passos para frente.)
Era de trás para trás (Dar os passos para trás).
Era de frente para frente era de trás para trás

Gostou do artigo e quer entender mais sobre o assunto? Confira o nosso curso de Brincadeiras e Jogos Infantis e conheça o nosso portfólio de cursos na área de Educação e Pedagogia.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde no assunto!
Conheça os cursos na área da Educação.

Mais artigos sobre o tema

Educação

O saque no volei

O Voleibol, também conhecido como Vôlei, é um dos esportes coletivos mais difundidos e praticados no Brasil. Faz parte da grade curricular da Educação Física

ler artigo »