Ecomarxismo: O que é?

Ecomarxismo O que é

“Do mesmo modo que não podemos julgar um indivíduo pelo que ele pensa de si mesmo, não podemos tampouco julgar estas épocas de revolução pela sua consciência, mas, ao contrário, é necessário explicar esta consciência pelas contradições da vida material, pelo conflito existente entre as forças produtivas e as relações de produção.” (Karl Marx).

Quando surgiu o ecomarxismo?

O Ecomarxismo (ou ecossocialismo) surgiu nos meados da década de 1960, ganhando força pioneira principalmente na Europa e Austrália, tendo como base a reflexão teórica de Karl Marx. Esta corrente não é fácil de caracterizar sistematicamente, pois existe uma grande diversidade de autores e com posições também variadas.

Os ecomarxistas têm em comum o uso do método do materialismo histórico nas questões socioambientais, fazendo também uma leitura da teoria do valor postulada por Marx, baseada exclusivamente no valor de troca. 

Assim, dão uma importante ênfase nas contradições sociais do sistema socioeconômico capitalista, dirigindo críticas sob as relações sociais homem-natureza, e sob as relações de propriedade e meios de produção. 

Acreditam que a dinâmica competitiva capitalista é a principal responsável pela crise ambiental, e por isso, é fundamental fazer uma compreensão das relações de poder e de trabalho (divisão do trabalho), já que este último é responsável pelas transformações no ambiente.

No que acreditam?

Na perspectiva marxiana a natureza significa a totalidade do mundo que rodeia o homem, com limites físicos naturais – um conceito semelhante ao de biosfera, lembra o sociólogo Franz Josef Brüseke. A natureza é o ponto de partida da história, e sobre ela o homem possui uma atividade vital consciente, o que o diferencia do animal.

O trabalho, para Marx, é que define o homem e o torna particular enquanto espécie.

“(…) o homem produz universalmente; o animal produz sob o domínio da necessidade física imediata, enquanto o homem produz livremente das necessidades físicas e só produz verdadeiramente ao libertar-se de si mesmo; o animal produz somente a si mesmo, enquanto o homem reproduz toda a natureza; o produto do animal tem uma relação de pertinência imediata com o seu corpo físico, enquanto o homem defronta-se livremente com o seu produto. (…) é exatamente na transformação do mundo concreto que o homem apenas se afirma efetivamente como um ser de espécie. Esta produção é a sua vida útil de espécie. Através dela a natureza surge como sua obra e realidade” (Marx, 1986).

Numa noção um tanto antropocêntrica, o homem é o centro da criação e transforma o mundo de acordo com sua imagem. Assim, Marx não se preocupou muito com a degradação ambiental e o que poderia advir disso, a Natureza é um elemento separado e a serviço do Homem. (Eckersley, 1995)

E se a natureza é considerada um recurso estático e transformado em produto de mercado no sistema capitalista, é aqui, (nas relações sociais que estão envolvidas) que as análises e propostas devem se pautar.

As propostas dos ecos socialistas 

Geralmente as mais ortodoxas – não são compatíveis com a dinâmica do sistema capitalista, já que esta conduz à acumulação de capital nas mãos de uma minoria e a relação conflituosa de interesses classistas, que é a causa de tanta pobreza e de tanto desastre ambiental, entre outros fatores. (Eckersley). O Estado é constantemente exigido para assumir um novo papel que criará também uma nova relação homem-ambiente, e uma nova organização sócio-geográfica.

Esta perspectiva ajuda a entender a crise ambiental na forma social de produção capitalista. As necessidades sociais devem ser colocadas como prioridades em detrimento de lucros, mas o ideal seria agrupá-las junto com as demandas econômicas, articulando no eixo de formulação de políticas públicas.

O que é interessante resgatar na teoria marxiana é que o homem, em todo momento, é colocado como um sujeito histórico moral transformador, e deve assim, estar consciente de suas ações, pois ele tem em si princípios de responsabilidade. É somente nesta condição que o homem pode construir uma nova ética e racionalidade.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde no assunto!
Conheça os cursos na área da Educação.

Mais artigos sobre o tema

Educação

O saque no volei

O Voleibol, também conhecido como Vôlei, é um dos esportes coletivos mais difundidos e praticados no Brasil. Faz parte da grade curricular da Educação Física

ler artigo »