Irradiação de Alimentos: Método de Conservação de Alimentos

A irradiação de alimentos é um processo físico que consiste em submeter os alimentos, já embalados ou a granel, a uma quantidade minuciosamente controlada de radiação ionizante, por um tempo prefixado e com objetivos bem determinados com finalidades sanitária, fitossanitária e ou tecnológica. O processo não aumenta o nível de radioatividade normal dos alimentos.

O objetivo da irradiação aplicada a alimentos é o aumento de sua vida útil. Este processo de conservação pode ser aplicado em vários tipos de alimentos. Além de aumentar o tempo de conservação, o tratamento pode ser utilizado para a destruição de insetos, bactérias patogênicas, fungos e leveduras. O retardo de maturação e senescência (envelhecimento) de frutas e a inibição de brotamento de bulbos e tubérculos também podem ser citados como influências benéficas na conservação desses alimentos.

O processo de irradiação pode impedir a divisão de células vivas, tais como bactérias, e de células de organismos superiores, ao alterar suas estruturas moleculares, além de retardar a maturação de algumas frutas e legumes, ao produzir reações bioquímicas nos processos fisiológicos dos tecidos vegetais.
O uso da irradiação como tratamento para preservação de alimentos foi aprovado pela Organização da Agricultura e Alimentos – FAO (1999), para doses abaixo de 10 kGy por não oferecer efeitos negativos sob o ponto de vista nutricional e toxicológico nos alimentos.

As pessoas se perguntam se a irradiação torna o alimento radioativo. A resposta é NÃO. Segundo o “International Consultive Group on Food Irradiation” (1999), mesmo que os alimentos fossem expostos a doses de radiação muito elevada, o nível máximo de radioatividade seria 200.000 vezes menor do que o nível de radioatividade naturalmente presente no alimento.

Alimentos irradiados são aqueles que foram deliberadamente processados com energia de radiação para provocar algumas propriedades desejadas (por exemplo, para inibir o brotamento ou destruir bactérias envenenadoras do alimento).

À parte os gêneros alimentícios, muitos outros materiais são comercialmente irradiados durante a fabricação. Estes incluem os cosméticos, rolhas de garrafa de vinho, suprimentos hospitalares e produtos médicos, e alguns tipos de embalagens para alimento. Alimentos radioativos são aqueles que acidentalmente tornaram-se contaminados por substâncias radioativas devido a testes de armas ou acidentes com reatores nucleares.

Experiências com teste de mercado e venda comercial de alimento irradiado provaram que consumidores informados não são contra o alimento irradiado, mas preferem que este seja rotulado como tal. O rótulo proporciona aos consumidores a oportunidade de escolha. Existe uma ampla gama de alimentos que podem ser tratados com radiações ionizantes com a finalidade de conservação. Os efeitos causados nos alimentos dependem do tipo de alimento que está sendo tratado e da dose de irradiação que está sendo aplicada. A seguir, citamos os efeitos nos alimentos quando submetidos às radiações ionizantes:

• Inibição de brotamentos;
• Retardo na maturação;
• Redução da carga microbiana;
• Eliminação de microrganismos patogênicos;
• Esterilização;
• Desinfecção de grãos, cereais, frutas e especiarias. 

Entre as desvantagens do uso comercial da radiação gama, estão: o alto custo e tamanho do equipamento necessário ao tratamento e certa resistência do consumidor ao uso de alimentos irradiados. Além disso, não é recomendado irradiar produtos com alto teor de gordura devido à probabilidade de rancificação, e nem alimentos contendo grande quantidade de água.
Para termos uma ideia do quanto a radiação ionizante pode prolongar o tempo de vida útil dos alimentos, segue uma tabela apresentando alguns resultados. Os dados foram produzidos no Laboratório de Irradiação de Alimentos e Radioentomologia – CENA/USP.

Podemos citar várias vantagens da conservação de alimentos pelo método da irradiação, são elas:
• Como este processo inativa microrganismos sem aumento considerável da temperatura do alimento, o mesmo é considerado esterilização a frio, o que permite a irradiação de produtos resfriados e congelados;
• Os raios gama têm alto poder de penetração, o que faz com que se possa tratar grande quantidade e variedade de alimentos, sem nenhuma manipulação durante o processo;
• Ocorre um considerável aumento na vida útil de frutas frescas, vegetais e carnes, o que facilita o processo de distribuição desses produtos;
• Pode ser utilizado como substituto de tratamentos químicos, que poderiam deixar resíduos;
• A salmonelose e a campilobacteriose são problemas em produtos avícolas. A irradiação é um tratamento efetivo para eliminar as bactérias patogênicas que causam essas doenças;
• Alimentos em embalagens termossensíveis podem ser tratados, uma vez que a irradiação não aumenta a temperatura tanto do alimento quanto da embalagem;
• Ocorre a diminuição do tempo de cozimento de alguns alimentos, principalmente os desidratados;
• Ovos e larvas de insetos são atingidos pela irradiação, sem prejuízo para os alimentos.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área de Comércio e Indústria.

Mais artigos sobre o tema

A Origem do Queijo
Comércio e Indústria

A Origem do Queijo

O queijo existe há pelo menos seis mil anos e sua origem é uma incógnita. Conta à lenda que o primeiro queijo teria sido obtido

ler artigo »
Risco físico no ambiente de trabalho
Comércio e Indústria

Risco físico no ambiente de trabalho

São riscos ambientais que se apresentam em forma de energia como os ruídos, temperaturas extremas, vibrações, radiações ionizantes, radiações não ionizantes, frio, calor, pressões anormais

ler artigo »