O papel do professor mediador na elaboração do conhecimento na formação técnica

Este artigo tem como objetivo analisar a atuação do professor no papel de mediador no processo ensino-aprendizagem e a construção do conhecimento na formação técnica, visando a contribuição para a construção de uma sociedade crítica e pensante.

A atuação como mediador deve tornar o professor um facilitador entre os alunos e o conteúdo a ser aplicado, o aprendizado com a aplicação da mediação e associação com situações cotidianas no contexto em que estão inseridos faz com que o processo ensino-aprendizagem auxilie na resolução de situações problema vividas no dia-a-dia. Sendo assim o papel do professor mediador é de suma importância, pois ao despertar o interesse através da mediação, interação e motivação o torna mais presente na vida dos alunos.

As práticas pedagógicas e o questionamento da ação docente, se faz necessário para a evolução do processo na construção do conhecimento.

As transformações da área da Educação

A educação nas últimas décadas passou por grandes transformações, com a globalização a preocupação como educadores é constante, no que tange a questão do desenvolvimento de competências e habilidades necessárias para a construção do conhecimento, e posteriormente a atuação do mercado de trabalho.

Analisando o contexto será que o professor está utilizando ferramentas que possibilitem os alunos a irem além do que a reprodução de conteúdo aplicados? A atualização se faz necessária no que diz respeito a tecnologias, a práticas pedagógicas e a interação entre os alunos e educadores.

Através da mediação o educador deve atuar como mediador e facilitador no processo ensino-aprendizagem, contribuindo para o desenvolvimento do senso crítico, a participação e a inserção do aluno no mercado de trabalho, dando assim a oportunidade de atuarem como protagonistas na sociedade. Dessa forma o professor terá a consciência de que ensino não é transferir o conhecimento e sim possibilitar a construção dele, de forma crítica e ativa na sociedade.

Segundo FREIRE (1979), a ação docente é a base de uma boa formação e contribui para a construção de uma sociedade pensante. Porém, para que isso seja possível é importante que o docente tenha a consciência, o compromisso e a responsabilidade de que ele deverá aprender a aprender e a aprender ao ensinar. E essa responsabilidade tem que ser trabalhada e desenvolvida a cada etapa, pois o aprendizado é contínuo.

A formação técnica requer habilidades e competências que os educandos deverão apresentar quando ingressarem ao mercado de trabalho, não será apenas conhecer e sim o saber, saber fazer, saber pensar, saber agir, ter iniciativa, e principalmente ser um cidadão ético e crítico e poder tomar decisões, e como desenvolver essas habilidades em nossos educandos?

Com base na experiência em sala e no âmbito profissional, é importante ressaltar que existem dificuldades no processo, e cabe o educador mediar essas dificuldades. É preciso despertar a curiosidade e incentivar o uso da imaginação através de situações em que o aluno seja desafiado e consiga desenvolver o senso crítico e o raciocínio lógico.

Reflexão na educação

A educação tem como objetivo fazer com que as pessoas se tornem capazes de realizar coisas novas, que sejam criativas e inovadoras, e não repetir processos prontos. Outro fator importante é não aceitar tudo o que lhes é oferecido, as tendências de pensamento coletivo, é preciso estar pronto para resistir, para criticar e tomar decisões no momento oportuno.

Se o professor consegue identificar o conhecimento tácito em seus alunos, ou seja, aquilo que é espontâneo, intuitivo, experimental, onde revela o conhecimento adquirido no cotidiano e depois inserido no contexto em que está inserido o resultado será importante para ambas as partes no processo ensino-aprendizagem.

Formação do professor

Nos dias atuais onde a geração possui a tecnologia a seu favor, a formação do professor é um processo em que ele não pode parar de aprender, ou seja, suas habilidades e competências devem ser aprimoradas a cada instante. O fluxo de informações e a velocidade com que elas surgem faz com que o processo ensino-aprendizagem se torne inovador a cada processo. O professor é um agente transformador e formador de opiniões e em algumas situações até de caráter do aluno, sua presença pode despertar o interesse de aprender e desenvolver o gosto pela aprendizagem.                                        

O nascimento do pensamento é igual ao nascimento de uma criança: tudo começa com um ato de amor. Uma semente há de ser depositada no ventre vazio. E a semente do pensamento é o sonho. Por isso os Educadores, antes de serem especialistas em ferramentas do saber, deveriam ser especialistas em amor: intérpretes de sonhos. (RUBEM ALVES, 1994, p. 82).

A formação do professor deve basear-se na arte do ensino coletivo, ou seja, á todos de forma contínua e que ao mesmo tempo desperte o interesse, a curiosidade e a autonomia de aprender e sentir-se motivado a aprender cada vez mais. O dinamismo e adaptação a possíveis mudanças, sendo elas tecnológicas e sociais devem fazer parte da metodologia do processo ensino-aprendizagem, pois com a associação do ensino com a realidade do aluno torna o processo menos complexo.

A questão da afetividade também contribui para um bom resultado, quando o professor desenvolve questões de afinidade com a disciplina e com os alunos o processo traz benefícios que vão além da inteligência. A questão do envolvimento da teoria com a prática dentro da realidade de cada educando torna o processo ensino-aprendizagem encantador, onde é possível enxergar onde será aplicado cada conhecimento adquirido.

A importância da mediação do professor no processo ensino aprendizagem

O aprendizado se faz presente desde o nascimento do ser até sua vida adulta, ao interagir com as situações o desenvolvimento é construído e as descobertas surgem a cada processo. As dificuldades vão surgindo e as soluções começam a serem elaboradas.

Nesse processo o professor se tornando um facilitador com técnicas de mediação em sala de aula desenvolve um papel de suma importância na formação dos alunos. Os questionamentos, as propostas elaboradas e as soluções apresentadas em sala devem fazer parte do processo de mediação, neste contexto Tébar (2011) diz que:

A experiência nos ensinou que o ritmo das nossas aprendizagens cresce em quantidade e em qualidade quando vem marcado por bons e experientes professores mediadores.

A vida é uma sucessão constante de mudanças que superamos com a ajuda dos demais. A mediação tem o objetivo de construir habilidades no sujeito, a fim de promover sua plena autonomia. A mediação parte de um princípio antropológico positivo e é a crença da potencialização e da perfectibilidade de todo ser humano. A genética não deu a última palavra. A força da mediação lança por terra todos os determinismos no campo do desenvolvimento do ser humano.

Assim, devemos entender a mediação como uma posição humanizadora, positiva, construtiva e potencializadora no complexo mundo da relação educativa. Na base desse construto dinâmico encontra-se o conceito de “desenvolvimento potencial” de Vygotski. (TÉBAR, 2011, p.74)

Com isso percebe-se que o papel do professor facilitador e mediador é crucial entre o aprendizado e a vivência de cada aluno, e a cada etapa concluída o aprimoramento se torna contínuo, onde a construção de habilidades e competências se faz necessária a cada processo realizado.

O professor na atualidade

A formação do professor não basta estar baseada em uma formação tradicional, mas sim através da necessidade de analisar práticas pedagógicas onde perpetuem uma formação de professores que além de conceber a formação docente, forme um profissional com o perfil técnico e especialista no que faz, e capaz de agregar seus conhecimentos com a realidade.

É importante despertar o perfil do professor investigador, um profissional que tenha uma postura interrogativa, e que no decorrer de sua trajetória questione sua própria atuação docente, e muitas vezes se colocando no lugar no outro, com o seguinte questionamento: “Será que estou sendo claro e objetivo?”

Nos dias atuais é de suma importância aplicar estratégias motivacionais para que os docentes saiam da sala de aula preparados e motivados para essa nova realidade imposta pela globalização.

Sentir prazer nas atividades realizadas no dia a dia é uma tendência natural em qualquer pessoa, ninguém gosta de fazer nada de que não lhe proporcione prazer, principalmente a juventude que ainda não desenvolveu a noção de aplicabilidade do conhecimento no seu cotidiano.

Segundo VALENTE, (1999, p.31), “A educação não pode mais ser baseada no fazer que leve ao compreender”.  Para tal, exige-se uma preparação e um planejamento minucioso por parte dos docentes e da equipe pedagógica, onde é importante a reflexão de como transferir o conhecimento de forma clara e

objetiva, despertando assim o interesse e a motivação no querer aprender, neste momento inicia-se o processo e o trabalho de mediação.

A motivação é a mola propulsora no processo ensino aprendizagem, pois quando o aluno entende o que está sendo transferido e a forma que está ocorrendo, o processo de mediação começa a ser aplicado de forma eficaz e objetiva.

O perfil docente para a educação profissional

O perfil do docente na educação profissional é o perfil onde o sujeito esteja aberto a reflexões, a pesquisa, ao trabalho, a ações críticas e principalmente preocupado com a atualização contínua de acordo com sua área de formação específica, onde contemple o mercado de trabalho e tenha relação com a área pedagógica, tecnológica e educacional.

O trabalho docente deverá ser norteado através de bases tecnológicas onde referem-se ao conjunto de conceitos, princípios e processos relativos ao eixo tecnológico a determinada área de atuação, porém o docente precisa possuir conhecimentos científicos relativos as ciências humanas, ciências da natureza, da matemática para fundamentar suas ações em seu campo de atuação.

É aquele profissional que sabe como e o que ensinar, fazer o que aprendeu e aprender a ensinar, para que dessa forma desenvolva novos profissionais aptos a seguirem suas profissões.

É importante ressaltar que esse profissional deverá ter a capacidade de desenvolver estratégias para resolução de problemas, realizar trabalhos interdisciplinares, atividades práticas e pesquisas no contexto vinculado ao campo de atuação.

Se nós queremos criar escolas nas quais a reforma seja duradoura e não passageira, nós precisamos perguntar: é essa uma escola onde os professores podem aprender? A menos que criemos as condições para a aprendizagem do professor, qualquer reforma que iniciarmos, mesmo se parecer estar funcionando no início, eventualmente irá desaparecer. (SHULMAN, 1997, p. 105).

Portanto o professor da educação profissional deverá ir além da experiência profissional, o seu trabalho deverá envolver a as diversidades, a inclusão social, a atuação em vários campos de conhecimentos, permitindo assim que seus alunos compreendam, de forma ética, crítica e reflexiva o mercado de trabalho, da tecnologia no qual pretendem atuar.

4 Pilares na educação profissional

Dentre tantos desafios para a educação no século XXI está a forma de transmissão de informações de acordo com as competências exigidas. Para demonstrar esse modelo de educação existem os quatro pilares da educação que norteiam essas missões

A tendência para prolongar a escolaridade e o tempo livre deveria levar os adultos a apreciar, cada vez mais, as alegrias do conhecimento e da pesquisa individual. O aumento dos saberes, que permitem compreender melhor o ambiente sob os seus diversos aspectos, favorece o despertar da curiosidade intelectual, estimula o sentido crítico e permite compreender o real, mediante a aquisição de autonomia a capacidade de discernir. (DELORS, Jacques 2012 pg 74)

1 – Aprender a conhecer

O aprender a conhecer é o meio de compreensão onde o indivíduo adquire saberes nas fases de sua vida, a educação é deve ser planejada ao logo de sua trajetória.

Aprender para conhecer consiste em aprender a aprender, onde o estímulo da memória e do pensamento fazem parte desse processo.

2- Aprender a fazer

O aprender a conhecer e aprender a fazer estão interligadas, porém a segunda aprendizagem está ligada a formação profissional, onde a partir do conhecimento adquirido a atuação se faz necessária.

3 – Aprender a viver juntos, aprender a viver com os outros

Esta aprendizagem representa um desafio muito grande, pois a aprendizagem consiste em descobrir o outro, ao longo da vida a participação em situações, projetos comuns faz com que os conflitos sejam evitados ou resolvidos. A educação nesse contexto trabalha com a diversidade, e as semelhanças de cada ser.

4 – Aprender a ser

A educação tem o intuito de contribuir para o desenvolvimento da pessoa, onde possibilite a construção da responsabilidade pessoal e espiritual. Uma educação que lhe dê condições para a formação se um ser crítico e pensante.

Neste contexto a aprendizagem é essencial para autonomia dando direcionamento para as iniciativas e tomada de decisões de acordo com situações vivenciadas pelo indivíduo.

O presente estudo possibilitou refletir sobre as metodologias atuais utilizadas em sala onde, percebemos que o papel do educador é facilitar esse processo, através de técnicas que desperte o interesse investigativo e criativo de nossos educandos.

Porém, cabe ressaltar que o perfil desse profissional deve ser moldado com as tendências tecnológicas e as reais necessidades de cada educando. Pois não depende apenas do conhecimento e sim de um conjunto de fatores que possibilite que a transmissão de informação ocorra de maneira clara, objetiva e criativa. A mudança é contínua, quando existe a necessidade da melhora constante é necessário que a postura do professor mude.

Com base em resultados realizados através de pesquisas empíricas foi notório que um dos fatores primordiais nesse processo é a postura do educador, onde existe a expectativa por parte dos educandos em relação as atitudes praticadas no momento da transmissão de informação, pois é esperado além do conhecimento a evidência da relação com a prática e a teoria no processo ensino–aprendizagem, ou seja, torna-se claro para o educando onde será aplicado todo aquele conhecimento que está sendo transmitido.

Outro fator predominante é a interação do educador com os educandos, quando existe a participação de ambas as partes as dificuldades são superadas e mostra o quanto a didática e a prática pedagógica precisam ser repensadas, afinal o mundo está globalizado onde a tecnologia e as informações em tempo real tiram a atenção para assuntos relevantes, é necessária a adaptação e a reflexão em relação a esses fatores.

O processo não é tão simples, pois tudo começa na formação do educador, e do interesse em transformar os moldes tradicionais do copiar e colar as informações, onde também se faz necessário o trabalho em equipe, que é de suma importância para que esse processo se realize, pois, o trabalho só será compensador se todos os envolvidos tiverem a consciência de que algo deve ser mudado e repensado.

[1] Tania das Graças de Araújo, professora na Etec Zona Sul, São Paulo, Centro Paula Souza. Orientado por Senira Anie Ferraz Fernandez

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde no assunto!
Conheça os cursos na área da Educação.

Mais artigos sobre o tema

Educação

O saque no volei

O Voleibol, também conhecido como Vôlei, é um dos esportes coletivos mais difundidos e praticados no Brasil. Faz parte da grade curricular da Educação Física

ler artigo »