Princípios do Treinamento Esportivo

Com o enriquecimento teórico dos autores, Manoel Tubino, Estélio Dantas, Marcelo Gomes da Costa, entre outros os quais pesquisei para elaboração desse estudo que descreve de maneira teórica, porém com uma visão prática os Princípios do Treinamento Esportivo e relata a importância de cada um dos princípios no desenvolvimento de uma periodização esportiva.

Serão descritos nove princípios, sendo que, os mais comumente utilizados e referenciados pelo Treinamento Esportivo estão destacados em negrito, os outros foram relacionados como forma de complemento no estudo, porém também são muito importantes.


Princípio da individualidade biológica

De acordo com Tubino, “chama-se individualidade biológica o fenômeno que explica a variabilidade entre elementos da mesma espécie, o que faz que com que não existam pessoas iguais entre si.” (TUBINO, 1984, p. 100). Cada ser humano possui uma estrutura e formação física e psíquica própria, neste sentido, o treinamento individual tem melhores resultados, pois obedeceria as características e necessidades do indivíduo.


Mesmo gêmeos univitelinos possuem diferenças, seja cultural, de personalidade, de caráter, ou seja, características próprias que os diferem um do outro. E como prescrever atividades iguais para estas duas pessoas sendo que cada ser é único?

Em se tratando de individualidade biológica, cada um tem uma genética diferente e os treinamentos devem ser prescritos e desenvolvidos individualmente, mesmo que em esportes coletivos isso exija mais do treinador e comissão técnica, mas cada um desempenha uma função diferente dentro do jogo, sendo assim os treinos devem ser individualizados ou reduzidos a pequenos grupos de acordo com a função exercida para o desenvolvimento desejado.


Princípio da adaptação

De acordo com Weineck, a adaptação é a lei mais universal e importante da vida. Adaptações biológicas apresentam-se como mudanças funcionais e estruturais em quase todos os sistemas. Sob “adaptações biológicas no esporte”, entendem-se as alterações dos órgãos e sistemas funcionais, que aparecem em decorrência das atividades psicofísicas e esportivas (WEINECK, 1991).


““Capacidade de adaptação” ou “adaptabilidade” é o nome que se dá à diferente assimilação dos estímulos, frente à mesma qualidade e quantidade de exercícios ou carga de treinamento. Ela pode ser atribuída à correlação organismo/ambiente, sob o ponto de vista da predisposição hereditária e sua expressão (genética) (Gürtler 1982, 35).” (ibidem, 1991, p. 23).
1. a. estímulos débeis => não acarretam consequências;
2. b. estímulos médios => apenas excitam;
3. c. estímulos médios para fortes => provocam adaptações;
4. d. estímulos muito fortes => causam danos.” (ibidem, 1984, p. 101).


Somos seres adaptáveis, por isso, quando somos estimulados seja fisicamente, cognitivamente, ou socialmente, respondemos a estes estímulos com uma adaptação. Se gostamos ou nos sentimos bem com o estímulo a tendência é que aprimoremos o dom que que possuímos para o desenvolvimento de nossas habilidades. Em se tratando de treinamento os estímulos que recebemos devem ser sempre variados para que estes estímulos ocasionem uma adaptação positiva ao organismo.

Princípio da sobrecarga

De acordo com Dantas: “Imediatamente após a aplicação de uma carga de trabalho, há uma recuperação do organismo, visando restabelecer a homeostase” (DANTAS, 1995, p. 43).


Tubino (1984) cita algumas indicações de aplicação do Princípio da Sobrecarga, referenciado nas variáveis: Volume (Quantidade) e Intensidade (Qualidade); em vários Tipos de Treinamento, como: Contínuo, Intervalado, em Circuito, de Musculação, de Flexibilidade e Agilidade, e Técnico.


Sobrecarga, como o próprio nome diz é uma carga imposta ou condicionada a uma outra carga que já está sendo trabalhado no indivíduo durante a periodização do treinamento, esta sobrecarga é importante para que o organismo ao se adaptar à carga não fique homeostático e gere posteriormente uma resposta positiva do organismo gerando resultados de evolução nos treinamentos e competição.

Podemos citar um exemplo de academia de ginástica, onde um cliente faz supino reto (uma das atividades mais conhecidas pelos homens em academias de ginástica) com 15 Kg de cada lado por um longo período, se este cliente não mudar o peso depois de um tempo, seu organismo terá gerado uma adaptação que aquela atividade não será benéfica em termos de ganho para o indivíduo.


Princípio da continuidade

Compartilho com Tubino, a ideia de que a condição atlética só pode ser conseguida após alguns anos seguidos de treinamento e, existe uma influência bastante significativa das preparações anteriores em qualquer esquema de treinamento em andamentoPara Tubino (1984),

Quando começamos a praticar algo seja no esporte ou mesmo em nossas vidas se não damos continuidade a esta prática, ou a esquecemos como se faz ou nos tornamos menos habilidosos em tais afazeres. Um exemplo nítido para isso são os músculos, o cérebro e a prática esportiva, você deve estar se perguntando, mas como assim?

No caso dos músculos, se pararmos de utiliza-los durante um tempo, eles diminuem; no caso do cérebro, se optamos por não ler ou interagir com as atualidades, ou paramos de estudar, não teremos ganhos cognitivos; e no esporte se paramos de praticar algum determinado esporte ao qual estamos acostumados, quando retornamos percebemos que perdemos boa parte da habilidade que tínhamos.

Princípio da interdependência volume-intensidade

Este princípio está intimamente ligado ao da sobrecarga, pois o aumento das cargas de trabalho é um dos fatores que melhora a performance. Este aumento ocorrerá por conta do volume e devido à intensidade.


Para Tubino (1984), pode-se afirmar que os êxitos de atletas de alto rendimento, independente da especialização esportiva, estão referenciados a uma grande quantidade (volume) e uma alta qualificação (intensidade) no trabalho, sendo que, estas duas variáveis (volume e intensidade) deverão sempre estar adequadas as fases de treinamento, seguindo uma orientação de interdependência entre si.


Um dos princípios mais conhecidos no Treinamento Esportivo e corresponde aos estímulos de volume e intensidade de treinamento, Estas variáveis devem ser muito estudadas, já que, é fundamental que a periodização esportiva esteja muito bem embasada para que o volume e intensidade tenham uma harmonia não ocasionando o overtrainning ou o burnout. O volume e intensidade de treinamento devem ser planejados em todos os âmbitos do treinamento: físico, técnico, tático e psicológico.


Principio da especificidade

“O princípio da especificidade é aquele que impõe, como ponto essencial, que o treinamento deve ser montado sobre os requisitos específicos da performance desportiva, em termos de qualidade física interveniente, sistema energético preponderante, segmento corporal e coordenações psicomotoras utilizados” (Dantas, 1995, p. 50).


“Isto serve, cada vez mais, para firmar na consciência do treinador que o treino, principalmente na fase próxima à competição, deve ser estritamente específico, e que a realização de atividades diferentes das executadas durante a performance com a finalidade de preparação física, se justifica se for feita para evitar a inibição reativa (ou saturação de aprendizagem).” (Dantas, 1995, p. 50).


Então, se a especificidade do movimento, e consequentemente da modalidade esportiva, está atrelada à memória do gesto motor, de seu treinamento, podemos dizer que o Princípio da Especificidade está ligado diretamente aos gestos específicos de uma determinada modalidade e o treinamento utilizado para o aprendizado e o desenvolvimentos destes respectivos gestos específicos.


Princípio da Especificidade, o princípio ao qual mais estou me atentando nos treinamento que organizo. Um exemplo fora dos esportes seria: como vou pedir para um funcionário do banco em hora de expediente “brincar” de banco imobiliário.


Transferindo para o esporte como vou pedir para meu atleta realizar movimentos que não sejam específicos ou tragam benefícios para a especificidade do esporte. No caso de o futebol como pedir para um atleta fazer um exercício de bíceps ou outro qualquer de cadeia cinética aberta, sendo que ele não sabe sua função entro do campo, ou simploriamente como chutar e executar um passe com as duas pernas.

O trabalho ou treinamento deve ser específico, os testes devem ser específicos para o esporte, não podemos realizar atividades que compreendem a movimentos de outros esportes, temos que estudar, pensar e criar métodos de treinamentos específicos.

Princípio da variabilidade

Também denominado de Princípio da Generalidade, encontra-se fundamentado na ideia do Treinamento Total, ou seja, no desenvolvimento global, o mais completo possível, do indivíduo. Para isso devem-se utilizar as mais variadas formas de treinamento (GOMES da COSTA, 1996).


Os atletas devem ser preparados de maneira geral nos primeiros anos de atividade, vivenciando diferentes esportes e posteriormente, caso tenha predisposição para uma determinada modalidade esportiva, aperfeiçoar-se fazendo com que toda aquela vivência no âmbito motor, psicológico e social vivido anteriormente contribua deforma positiva em seu futuro.


PRINCÍPIO DA SAÚDE
Segundo Gomes da Costa (1996), esse princípio encontra-se diretamente ligado ao próprio objetivo maior de uma atividade física utilitária que vise à saúde do indivíduo.


Este princípio muitas das vezes não é respeitado devido a resposta imediata que o atleta tem que dar para a si mesmo, sociedade, treinador e seus patrocinadores. O ganhar a qualquer custo, pode trazer sequelas graves que não são pertinentes ser citadas neste momento. Porém a prática esportiva de auto rendimento, ou mesmo recreativa traz inúmeros benefícios para a saúde geral do indivíduo.


Princípio da inter-relação dos princípios

De acordo com Gomes da Costa (1996), se faz lógico e transparente que essas leis não existem apenas por existir. Cada princípio, considerado individualmente, possui seu valor e função próprios, entretanto, a integração entre esses princípios adquire inestimável importância. “Aqui acontece aquela “historinha” de que o todo é sempre maior do que a soma de suas partes.”


A integração de todos os princípios ou o máximo deles em um programa de treinamento não é certeza de sucesso, já que o esporte envolve outros inúmeros fatores externos, aos quais podemos controlá-los para a obtenção do sucesso, porém muitas das vezes como envolve duas equipes na grande maioria das vezes estes fatores não são palpáveis. Devemos sim minimizar ao máximo o erro fazendo com que fatores psicossocioculturais estejam controlados para a obtenção desse SUCESSO!

Gostou desse artigo? Inscreva-se e continua nos acompanhando!

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde no assunto!
Conheça os cursos na área da Educação.

Mais artigos sobre o tema

Educação

O saque no volei

O Voleibol, também conhecido como Vôlei, é um dos esportes coletivos mais difundidos e praticados no Brasil. Faz parte da grade curricular da Educação Física

ler artigo »