A Drenagem Linfática Reversa

Em cirurgias com incisões amplas, especialmente em cirurgias plásticas, existe uma interrupção dos vasos linfáticos superficiais prejudicando a drenagem linfática fisiológica dos líquidos. 

O que é a drenagem linfática reversa?

A drenagem linfática reversa é uma nova técnica utilizada nas abdominoplastias, por exemplo, a drenagem dos quadrantes (que confluem para a região inguinal) fica interrompida pela retirada de tecido, restando apenas às vias dos quadrantes superiores que confluem para os linfonodos axilares.

Qual o momento de fazer?

Ao realizar a drenagem linfática no sentido clássico podem surgir edemas pericicatriciais, uma vez que as vias não estão íntegras, promovendo uma tensão indesejável no local da lesão.

Propôs-se então, a utilização de outras vias para escoamento da linfa, que estejam íntegras. A essa técnica denominou-se drenagem linfática reversa. Em intervenções como as abdominoplastias, por exemplo, a drenagem da linfa dos quadrantes inferiores do abdome (que confluem para a região inguinal) fica interrompida pela retirada do tecido, restando íntegras apenas as vias dos quadrantes superiores (que confluem para os linfonodos axilares).

Esta técnica foi bem fundamentada, já que nos procedimentos cirúrgicos exemplificados ocorrem rompimentos importantes de vasos arteriais, venosos e linfáticos, promovendo a obstrução da circulação linfática superficial e, às vezes, a profunda também fica comprometida, com infecções e necroses. Os edemas resultantes desses procedimentos são frequentemente observados.

Explicando o termo reversa

O termo reversa pode dar uma falsa ideia que o fluxo da linfa pode ser invertido, o que não ocorre, pois o sistema linfático é um “sistema de mão única”. Porém, existe uma densa rede de capilares linfáticos que se anastomosam e se intercomunicam livremente, absorvendo e conduzindo a linfa a várias direções. 

Portanto, as linhas divisórias das áreas linfáticas delimitam as distintas zonas linfáticas, formando quadrantes ou áreas linfáticas com zonas de esvaziamento independentes.

Entre estas zonas existem comunicações chamadas anastomoses, que permitem em caso de necessidade desviar o líquido edematoso de uma área à outra: são as anastomoses linfo-linfáticas. 

Estas anastomoses, em situações de necessidade, podem ser estimuladas por meio de manobras manuais, isto é, por drenagem reversa, que direcionam a linfa para a direção pretendida.

Quando fazer a drenagem linfática reversa?

A drenagem linfática reversa deve ser realizada até a reconstituição dos vasos, fato que ocorre cerca de 30 dias após a intervenção cirúrgica.

Na intervenção cirúrgica, existem as complicações e desconfortos como edemas, hematomas, fibroses, seroma e além da cicatrização. Nesse caso, para minimizar os sinais clínicos, a drenagem linfática desempenha um papel importante no pós-operatório. 

A Drenagem Linfática Manual é um dos principais benefícios do método de aceleração da recuperação pós operatório principalmente em cirurgias de abdominoplastia, e tem efeitos positivos pois estimula o sistema linfático, eliminando as toxinas e melhorando o aporte sanguíneo. 

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema