Aplicação de medicamentos: via intramuscular

Injeções Intramusculares depositam a medicação profundamente no tecido muscular, o qual é bastante vascularizado, podendo absorver rapidamente. Esta via de administração fornece uma ação sistêmica rápida e absorção de doses relativamente grandes (até 5 ml em locais adequados).

As injeções intramusculares são recomendadas para os pacientes não cooperativos ou àqueles que não podem tomar a medicação via oral, e para as medicações que são alteradas pelo suco digestivo. Os tecidos musculares possuem poucos nervos sensoriais, permitindo na injeção uma administração menos dolorosa de medicações irritantes. O local de uma injeção intramuscular deve ser escolhido cuidadosamente, levando em consideração o estado físico geral do paciente e a proposta da injeção.

As injeções intramusculares são contra-indicadas em pacientes com mecanismos de coagulação prejudicados, em pacientes com doença vascular periférica oclusiva, edema e choque – porque estas moléstias prejudicam a absorção periférica. Além de não serem administradas em locais inflamados, edemaciados, irritados, ou ainda em locais com manchas de nascença, tecido cicatrizado ou outras lesões.

Áreas de aplicação

Deltóide: o paciente pode estar sentado ou deitado, com o antebraço flexionado sobre o tórax. Medir quatro dedos abaixo do acrômio.

Dorso-glúteo: deitado em decúbito lateral e aplicar somente no quadrante superior externo. Delimitam-se os quadrantes com traçado de 2 eixos: um horizontalmente, com origem na saliência mais proeminente da região sacra; e outro verticalmente, passando pelo centro da região glútea.

Reto femoral e vasto lateral: sentado com a perna flexionada, ou deitado com o membro estendido. Aplicar a injeção no terço médio.

Ventroglutea ou de Hochstetter: aplicada no músculo médio, o paciente pode ficar lateral ou ventral.

Agulhas indicadas para a administração intramuscular

As agulhas possuem diferentes indicações para cada tipo de pessoa e assim, o calibre da agulha também muda. Por isso, abaixo colocamos o tipo de pessoa e o da agulha.

• Adulto magro – calibre 25 x 7
• Adulto com massa muscular/obeso – calibre 30 x 7 ou 30 x 8
• Crianças desenvolvidas – calibre 25 x 7 ou 25 x 8
• Crianças e adolescentes obesos – calibre 30 x 7
• Crianças pequenas/magras – 20 x 5,5 ou 20 x 6

Técnica

1. Escolha um local adequado para a injeção. Os músculos glúteos são geralmente utilizados em adultos sadios, embora o músculo deltóide possa ser utilizado para uma injeção de pequeno volume (2 ml ou menos). Para neonatos e crianças, o músculo vasto lateral da coxa é mais utilizado porque é geralmente mais desenvolvido e não contém nervos grandes ou vasos sanguíneos calibrosos, minimizando o risco de uma lesão grave. O músculo reto anterior também pode ser utilizado em neonatos, mas geralmente é contra-indicado em adultos;

2. Limpe a pele com algodão e álcool, e aguarde a pele secar;

3. Com os dedos polegar e indicador, da sua mão não dominante, agarre suavemente a pele do local da injeção;

4. Posicione a seringa em um ângulo de 90 graus em relação à epiderme, com o bizel da agulha lateralizado. Insira a agulha rápida e firmemente através das camadas dérmicas, profundamente até o músculo;

5. Após a injeção, remova a agulha em um ângulo de 90 graus;

6. Massageie o músculo relaxado para ajudar a distribuir a medicação e ajudar a promover a absorção.

7. Com os dedos polegar e indicador, da sua mão não dominante, agarre suavemente a pele do local da injeção;

8. Posicione a seringa em um ângulo de 90 graus em relação à epiderme, com o bizel da agulha lateralizado. Insira a agulha rápida e firmemente através das camadas dérmicas, profundamente até o músculo;

9. Após a injeção, remova a agulha em um ângulo de 90 graus;

10. Massageie o músculo relaxado para ajudar a distribuir a medicação e ajudar a promover a absorção.

Gostou desse artigo?

Conheça os cursos e continue nos acompando.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema