Articulações do ombro

Principal articulação do ombro. Funciona como fulcro dos movimentos do membro superior. Tem amplos graus de liberdade de movimento e é instável, do ponto de vista mecânico. A sua estabilidade é mantida por um “Sistema Passivo”, composto pelo complexo capsulo ligamentar glenoumeral e um “Sistema Ativo”, representado pelos músculos e tendões do manguito dos rotadores.

Esta articulação consiste numa cabeça do úmero quase hemisférica e numa cavidade glenóide relativamente rasa na margem lateral da escápula.
O lábio glenoidal é uma estrutura fibrosa que reveste o perímetro da cavidade glenóide e serve, essencialmente, para aprofundar a articulação e desse modo aumentar sua estabilidade.

A extrema mobilidade da articulação glenoumeral é alcançada em sacrifício direto da estabilidade. A cápsula articular, que circunda completamente a articulação, não é uma estrutura rígida e permite uma separação significativa das faces articulares durante o movimento umeral anterior e inferior.

Articulação acromioclavicular e esternoclavicular

Articulações sinoviais planas, que permitem movimentos entre a clavícula e o eixo axial (esternoclavicular) e entre a clavícula e o acrômio (acromioclavicular).

A articulação esternoclavicular situa-se entre a ponta medial da clavícula e o manúbio do esterno. É uma articulação sinovial em sela. Há um disco cartilaginoso entre as duas faces, que ajuda a articulação a mover-se melhor, reduzindo a incongruência das superfícies e absorvendo o choque transmitido através do membro superior para o esqueleto axial. A articulação acromioclavicular é uma pequena articulação sinovial entre a ponta lateral da clavícula e o processo acromial da escápula.

Articulação subacromial

Não é uma articulação verdadeira, porém, funciona como se fosse. É formada pelo arco coracoacromial, a bolsa subdeltóidea e os tendões do manguito rotador. Seu mecanismo de estabilização depende da ação dos sistemas estabilizadores da articulação glenoumeral e também dos músculos escapulotorácicos.

Articulação escapulotorácica

Também não é uma articulação verdadeira. É representada pela escápula, que constitui a base móvel sobre a qual a raiz do membro superior se apoia e os arcos costais, contra os quais, ele é fixado durante o movimento do ombro.

Amplitude articular do ombro

Flexão do ombro

O movimento ocorre na articulação glenoumeral no plano sagital, sendo acompanhado por movimentos nas articulações esternoclavicular, acromioclavicular e escapulotorácic..

Os músculos responsáveis por este movimento são o peitoral maior (porção clavicular), o deltoide anterior, o coracobraquial, e o bíceps (porção curta). Neste teste, deve-se evitar a hiperextensão da coluna lombar, a abdução do ombro e a elevação da escápula; manter o cotovelo em extensão. Amplitude articular: 0 – 180°.

Extensão do ombro

Movimento de retorno da flexão que ocorre no plano sagital. Os músculos responsáveis por este movimento são o grande dorsal, redondo maior, deltoide posterior, tríceps (porção longa) e peitoral maior. Neste teste, deve-se evitar a flexão do tronco; a elevação e a adução da escápula e a abdução do ombro. Amplitude articular: 0°- 50°.

Abdução do ombro

Movimento do segmento afastando-se da linha média, em plano frontal. Os responsáveis por este movimento são o deltoide anterior e médio, o supraespinhoso e o bíceps. Neste teste, deve-se evitar a flexão da coluna vertebral para o lado contralateral; a elevação da escápula e a flexão e extensão do braço. Amplitude articular: 0° – 180.

Adução do ombro

Movimento do segmento aproximando-se da linha mediana, em plano frontal e eixo anteroposterior. Em geral, é uma redução de um estado prévio de abdução. Os responsáveis por este movimento são o peitoral maior, grande dorsal, redondo maior, subescapular, coracobraquial. Neste teste, deve-se evitar a flexão ipsilateral da coluna vertebral, a depressão escapular e a rotação de tronco. Amplitude articular: 0°- 40°.

Rotação externa do ombro

Na posição anatômica, o movimento ocorre no plano transverso. O epicôndilo medial do úmero se move anteriormente. Os músculos responsáveis por este movimento são o redondo menor, infra espinhal e o deltoide posterior. Para a avaliação goniométrica, o ombro é abduzido e a articulação do cotovelo é fletida em 90°, o antebraço move-se em sentido cranial. O movimento teste ocorre no plano sagital.

Neste teste, manter o ombro abduzido em 90º para que o olecrano fique em linha com a fossa glenóide; evitar a flexão, extensão, a adução e a abdução do ombro; evitar a extensão do cotovelo; evitar a adução e abdução da mão e a inclinação posterior da escápula. Amplitude articular: 0°- 90°.

Rotação interna do ombro

Na posição anatômica, o movimento ocorre no plano transverso. O epicôndilo medial do úmero se move posteriormente. Os músculos responsáveis pelo movimento são o peitoral maior, grande dorsal, redondo maior, subescapular e o deltoide anterior. Para a avaliação goniométrica, o ombro é abduzido e a articulação do cotovelo é fletida em 90°, o antebraço move-se em sentido caudal. O movimento teste ocorre no plano sagital.

Neste teste, deve-se manter o ombro abduzido em 90º para que o olecrano fique em linha com a fossa glenóide; evitar a flexão, extensão, adução ou abdução do ombro; evitar a extensão do cotovelo; evitar a adução e abdução da mão; evitar a elevação e a inclinação anterior da escápula. Amplitude articular: 0°- 65/90°.

Gostou desse artigo? Inscreva-se no nosso blog e continue nos acompanhando!

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema