Dreno de tórax

A drenagem de tórax consiste na introdução de um dreno no espaço pleural ou o espaço mediastinal, com o objetivo de remover líquidos e gases, facilitando a reexpansão do pulmão e restabelecendo a função cardiorrespiratória normal.

Troca do Curativo

Material

Para que se possa realizar um curativo é necessário ter posse dos seguintes materiais:
• Um par de luvas estéreis;

• Um par de luvas de procedimento;

• Esparadrapo ou micropore;

• Pacotes de gazes;

• Frasco contendo solução anti-séptica (solução de polvidine ou clorexidina alcoólica/tópica/degermante).

Procedimentos

Uma vez de posse dos materiais acima citados, pode se realizar a troca do curativo de maneira correta, com segurança e assepsia. Abaixo vamos listar a seqüência dos procedimentos a serem seguidos na troca do curativo.

1. Explicar o procedimento e sua finalidade ao paciente e/ou ao acompanhante;

2. Reunir o material;

3. Lavar as mãos;

4. Posicionar o paciente lateralmente, sobre o lado onde não se encontra o dreno;

5. Calçar as luvas de procedimento;

6. Manter, com uma das mãos, o dreno fixado ao local;

7. Remover com a outra mão, cuidadosamente, o curativo;

8. Observar se há presença de secreção nas gazes, para posterior anotação (pequena quantidade de secreção sero-sanguinolento no local de inserção do dreno é comum);

9. Observar a pele no local de inserção do dreno, para identificar se há presença de hiperemia e/ou edema, para posterior anotação;

10. Apalpar, delicadamente, ao redor do local de inserção do dreno, para identificar se há presença de crepitações;

11. Retirar as luvas de procedimento;

12. Calçar luvas estéreis;

13. Limpar o local com solução, utilizando gaze embebida em solução anti-séptica;
14. Envolver com gaze a parte do dreno próximo à pele;

15. Colocar gazes entre o dreno e a pele e sobre o dreno;

16. Colocar tiras largas de esparadrapo ou micropore para vedar completamente o curativo;

17. Observar o posicionamento correto do dreno, evitando dobras e voltas que possam prejudicar a drenagem;

18. Deixar o paciente confortável;

19. Manter a unidade em ordem;

20. Registrar no prontuário: a troca do curativo, aspecto do local de inserção do dreno e as queixas do paciente.

Troca do selo d’água

Assim como o curativo, o paciente necessita que seja feita a troca do selo d’água, possuindo também uma metodologia única a ser seguida e com uma lista de materiais específicos. Vamos a eles.

Material

Conforme as especificidades do procedimento de troca do selo d’água necessitam-se os seguintes materiais:

• Um par de luvas de procedimento;

• Frasco de solução estéril (solução fisiológica ou água bidestilada);

• Recipiente para colocar a solução drenada;

• Pinça;

• Fita adesiva.

Procedimentos

Conforme o que ocorre na troca do curativo, a troca do selo d’água também segue uma seqüência de passos, a fim de realizar um atendimento padrão seguro ao paciente. Abaixo listamos os procedimentos a serem seguidos.

1. Explicar o procedimento e sua finalidade ao paciente e/ou ao acompanhante;

2. Reunir o material;

3. Lavar as mãos;

4. Calçar as luvas de procedimento;

5. Pinçar a extensão do dreno;

6. Observar o aspecto da solução drenada e seu volume, para posterior anotação;

7. Abrir o frasco de drenagem;

8. Desprezar o conteúdo do frasco de drenagem no recipiente;

9. Lavar o frasco de drenagem, com solução esterilizada, e desprezar seu conteúdo no recipiente;

10. Preencher o frasco com nova solução esterilizada, até o nível especificado pelo fabricante ou até que o tubo do frasco de drenagem fique submerso na solução esterilizada;

11. Despinçar a extensão do dreno;

12. Marcar o nível original da nova solução em uma fita adesiva aderida verticalmente ao lado externo do frasco de drenagem;

13. Anotar em uma fita adesiva o volume da nova solução que foi colocada no frasco de drenagem, contendo: data, hora e nome do profissional que realizou o procedimento – e fixar ao frasco;

14. Registrar no prontuário do paciente o volume proveniente da drenagem, observada anteriormente, descontado o volume de solução esterilizada que foi colocada anteriormente no frasco, assim como o seu aspecto.

É necessário também prestar atenção em alguns detalhes devido a situação delicada do paciente. É necessário manter o frasco de drenagem sempre abaixo do nível do tórax. Também, tem-se que atentar em manter o frasco de drenagem protegido de acidentes. Ainda, é necessário se ater se a extensão do dreno não está dobrada ou tracionada. E por fim, sempre lembrar de pinçar o dreno caso vá transportar o paciente.

Quer saber mais sobre o assunto? Confira os cursos de Cuidados de Enfermagem com Sondas, Drenos e Cateteres e Manipulação de Cateteres, Sondas e Drenos – USP. Conheça nosso portfólio de cursos na área de Enfermagem.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema