Escalas Utilizadas nos Medicamentos Homeopáticos: CH, DH, LM ou Q, K,FC

À procura de seu ideal, cura rápida, suave e permanente, Hahnemann aprimorou a técnica de manipulação das drogas, e estabeleceu um sistema da forma que ele considerava mais adequada para o preparo do medicamento homeopático.

Os medicamentos atualmente são preparados de acordo com a Farmacopéia Brasileira. De acordo com o Manual de Normas, a água, solvente universal, é essencial para a manipulação, passando por diferentes processos depurativos, a saber: destilação, osmose reversa ou de ionização. O método mais utilizado é a destilação.

Onde é utilizado o álcool?


O álcool etílico ou etanol é utilizado na preparação de tinturas-mãe, nas dinamizações (formas farmacêuticas derivadas) e na dispensa dos medicamentos homeopáticos. Hoje em dia é o álcool de cereais que mantém o maior grau de pureza.

As soluções hidroalcoólicas devem ser feitas de 30 a 70% de concentração, ou menos, conforme especificação. No seu livro “Fundamentos da Homeopatia”, o Dr.Aldo Dias ainda comenta que Hahnemann utilizava exclusivamente o álcool do vinho e a água da chuva ou neve derretida, destilada em alambiques de ferro.

Ainda é utilizada a lactose nas triturações homeopáticas, quando a matéria prima não é diluível em água, como acontece com os metais e os venenos de cobra, abelha, formiga, sapo, etc., assim como na dispensa dos medicamentos na forma de pós, papéis, tabletes e comprimidos. Já na confecção dos glóbulos a base utilizada é a sacarose inerte.

Qual é a escala de diluição utilizada?


Para a diluição dos medicamentos são utilizadas escalas: decimal (DH), centesimal (CH) e cinquenta milésimas (LM).

A escala decimal (DH) foi preconizada por Hering, os medicamentos são diluídos na proporção de 1:10 (uma parte do insumo ativo para dez partes do insumo inerte), ou seja, uma parte do soluto + nove partes de solvente, totalizando o volume final de dez partes.

Na escala centesimal idealizada por Hahnemann, a proporção da diluição é de 1:100 (uma parte de insumo ativo para 100 partes de insumo inerte) , ou seja, uma parte de soluto para 99 partes de solvente.

Vejamos o §269 do Organon de Hahnemann:

O método homeopático de cura desenvolve, para seu uso especial, a um grau até agora nunca visto, os poderes medicinais internos das substâncias cruas, mediante um processo no qual lhe é peculiar. E que até agora jamais foi tentado, pelo que somente eles todos se tornam imensuravelmente e penetrantemente eficazes, mesmo os que no estado cru não dão provas da menos ação medicamentosa sobre o corpo humano.

Esta mudança notável nas qualidades dos corpos naturais desenvolve os poderes dinâmicos (§11), latentes, até agora despercebidos, como se estivessem adormecidos, ocultos, que afetam o princípio vital, e alteram o bem-estar da vida animal.

Isto se obtém por ação mecânica sobre suas menores partículas, esfregando e sacudindo. Esse processo chama-se dinamização (desenvolvimento do poder medicinal) e os produtos são dinamizações ou potências, em graus diversos.

Medicamentos homeopático funciona?


Ouvimos todo dia que as potências medicinais homeopáticas são chamadas de meras diluições, quando é o contrário, isto é, um verdadeiro aumento das substâncias naturais que trazem à luz e revelam os poderes medicinais específicos ocultos que contêm, sendo despertados esfregando-se e sacudindo-se. O auxílio de um meio de atenuação não medicinal escolhido, é apenas uma condição secundária.

A mera diluição, por exemplo, a solução de um grão de sal tornar-se-á água, o grão de sal desaparecerá com a diluição em água demasiada, e jamais desenvolverá poder medicinal que, mediante nossa dinamização bem-preparada, é elevado a um poder maravilhoso.


Na escala cinquenta-milesimal (LM ou Q), o grau de diluição obedece à proporção de 1:50.000 (uma parte para 50.000 partes) a cada nova potência. Esta escala foi desenvolvida por Hahnemann e encontra-se no parágrafo 270.

§270 Organon:

A fim de obter da melhor maneira esse desenvolvimento da potência, uma pequena parte da substância a ser dinamizada, por exemplo, um grão é triturado durante três horas por três vezes cem grãos de açúcar de leite, de acordo com o método descrito …, até a milionésima parte em forma pulverizada.

Por motivos que damos abaixo, um grão desse pó é dissolvido em 500 gotas de uma mistura de uma parte de álcool para quatro de água destilada, da qual se põe uma gota em um frasco.

A isto se acrescentam 100 gotas de álcool puro, sacudindo-se 100 vezes com uma mão contra um corpo duro, porém elástico (Hahnemann usava a bíblia, livro grosso com capa de couro). Esse é o medicamento no primeiro grau de dinamização, com que se podem então, umedecer pequenos glóbulos de açúcar e espalhá-los sobre papel de filtro a fim de secar, guardando-se em um frasco com o sinal do grau de potência.

Só se toma um desses glóbulos para dinamização ulterior, colocando-se em um segundo frasco (com uma gota de água a fim de dissolvê-lo) e então com 100 gotas de álcool de boa qualidade dinamizado da mesma forma com 100 sucussões violentas.

Mediante essa manipulação de drogas em estado bruto produzem-se preparações que só assim alcançam a capacidade plena de afetar as partes atingidas do organismo doente.

Desse modo, mediante uma simples afecção de enfermidade semelhante artificial, a influência da droga natural no princípio vital encerrado no interior do organismo é neutralizada.

Por meio desse processo mecânico, desde que realizado regularmente de acordo com a técnica descrita acima, opera-se uma mudança na droga que em estado bruto apresenta-se apenas como material, às vezes, como matéria não medicinal; mas, por meio de uma dinamização cada vez maior, é alterada, sutilizada, enfim, como um poder medicinal, que de fato, por si só, não cai em nossos sentidos, mas para o qual o glóbulo medicinalmente preparado, seco ainda mais quando dissolvido em água, torna-se o veículo, e assim manifesta o poder curativo dessa força invisível, no organismo doente.

Quando é utilizada as dinamizações baixas?


As dinamizações baixas são mais utilizadas nas formas agudas enquanto as dinamizações altas são mais utilizadas nas enfermidades subclínicas e crônicas, ou para sintomas emocionais e comportamentais.

Podemos citar como exemplo de enfermidade aguda, um Abscesso (formações purulentas que aparecem na superfície da pele ou mucosas). Se este abscesso é doloroso e quente, o paciente está irritado, violento, hipersensível à dor, não suporta contato, pode-se indicar Hepar sulphur 6ch. Este medicamento promove uma rápida supuração. Podemos após a supuração completar a terapêutica com Calêndula 6 CH (via oral) ou tópica.

Mas se o abscesso é doloroso, de cor azul avermelhado ou negro,pode acompanhar um quadro de excitação onde o paciente estará eloquente, faz-se Lachesis 6 CH. Se o abscesso tarda em supurar, com dores à noite, suor noturno e sede intensa, e ao supurar a secreção é abundante, pensar em Mercurius solubilis 6 ou 12CH.

Junto com Hepar sulphur, Silicea 6CH é um dos principais medicamentos de abscessos. Reduz a supuração, reabsorvem as endurações, promove expulsão de corpos estranhos.

Entendendo o quadro de somatização

Agora, se os sintomas que aparecerem forem decorrentes, por exemplo, de uma crise de ciúmes muito forte, um novo animalzinho que chama mais atenção a alguém da família, pessoa ou animal, temos quadros de somatização, mas de fundo emocional.

Por exemplo, Dispnéia violenta, surge às 2 – 3 horas da manhã, o paciente fica móvel, melhora sentado e inclinado para frente. Tosse eliminando uma secreção cinza. Se for após um quadro de intenso ciúme, pensar em Kali Carbonicum 30CH ou 200FC.

Se ocorrer uma inflamação severa em garganta, com constrição, acompanhada de sintomas relacionados ao aparelho reprodutor, como ovarite esquerda, secreções uterinas, pensar em Lachesis 30CH ou 200FC. Lachesis é adequado para os pacientes mais ciumentos, geralmente femininos.

Nos quadros de cistite agudos pensar em Cantharis 3 CH, se a instalação do processo é brusca, violento tenesmo (dor que obriga a urinar). Dores ardentes e cortantes que se estendem pela uretra. Urina sanguinolenta, gota a gota. Este indivíduo tem tendência à formação de cálculos. No caso de processos mais crônicos, pode-se fazer na dinamização 30CH.

Utilizar o medicamento Lycopodium quando Predomina a dor do lado direito, com horário entre 16 e 20 horas, as dores cortantes descem pelo ureter, o indivíduo sente a dor correr pelo abdômen. Agrava antes de urinar e melhora por urinar.

Urina com areia avermelhada, flatulência (gazes abdominais), intolerância à roupa, que o obriga a retirar, a despir-se ou afrouxar as roupas. Geralmente utilizar 12 ou 30CH, pois são sintomas recorrentes, tendendo à cronicidade.

Nas diarréias agudas, pensar em Arsenicum qlbum 6ch, por excessos alimentares, Nux vomica 6CH com sudorese intensa, muito abundante, pior de noite, com fezes aquosas como água de arroz, precedidas de dor de ventre tipo cãibras e cólicas violentas com debilidade extrema. Vômitos e diarréia simultâneos, pensar em Veratrum album 6ch.

Outro método utilizado de dinamização homeopática foi desenvolvido por Korsakov. Ele trabalhava no próprio campo de batalha e sentiu necessidade de simplificar o método hahnemanniano, de modo a poder minimizar o padecimento de muitos doentes e feridos.

Para tal, preconizou a utilização de um mínimo de frascos e um uso prático e rápido. Hahnemann, que teve conhecimento do método, testou-o e admitiu que fosse tão eficaz quanto o seu. Porém, no Brasil, os médicos veterinários não costumam utilizá-lo muito.

Com o aparecimento de potências elevadíssimas, utilizadas e desenvolvidas por James Tyler Kent, foi necessário desenvolver uma máquina que auxiliasse no processo de diluição e sucussão e esta foi denominada “máquina de fluxo contínuo”.

O método de Fluxo contínuo ou FC é bastante utilizado nos tratamentos onde se utilizam medicamentos únicos, com doses mais espaçadas. Seu uso é preconizado a partir de 200FC, depois 1M (milesimal), 10M, 100M, 1MM (milhão), 10MM, 100MM. Em Medicina Veterinária utilizamos no máximo até 10 M, dentro da linha Unicista. Os animais são muito mais sensíveis às doses mais quintessenciadas, mas diluídas e dinamizadas que o homem adulto.

Altas potências muito repetidas, para os animais, podem acarretar patogenesias, agravações, ou sintomas indesejáveis. É necessário ao prescrever, cuidado e bom senso.

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso blog, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.  

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema