Frutos Climatéricas e Não-Climatéricas: Quais são?

Fazer o consumo de frutas nem sempre é comum no dia a dia das pessoas, porém é essencial para uma alimentação balanceada.

No artigo de hoje queremos falar sobre dois tipos de frutos que, além de diferentes, precisam ser armazenados de formas também de formas diferentes. Confere só abaixo.

Frutos climatéricos 

São aqueles que no final do período de maturação apresentam um marcante aumento na taxa respiratória, provocado pelo aumento na produção de etileno. O pico das taxas respiratórias ocorre no momento da maturidade fisiológica dos representantes deste grupo.

Ou seja, frutos climatéricos são aqueles que podem amadurecer após serem colhidas. Estas produzem muito mais etileno que as não climatéricas, que não podem amadurecer depois de removidas da planta.

Quais são frutos climatéricos?

  • tomate,
  • kiwi,
  • caqui,
  • pêra,
  • maracujá,
  • pêssego,
  • nectarina,
  • ameixa,
  • maça,
  • abacate,
  • melão,
  • banana,
  • manga,
  • mamão,  e
  • azeitona.

Frutos não-climatéricos 

São aqueles que apresentam um declínio lento e constante de sua taxa respiratória após a colheita, independentemente do estágio de amadurecimento em que foram colhidos, pois produzem baixas quantidades de etileno. Frutos desse grupo não podem ser colhidos antes de sua maturação porque após sua colheita eles geralmente entram em processo de senescência.
Quais são os frutos não-climatéricos:

  • coco,
  • uva,
  • limão,
  • amora,
  • framboesa,
  • figo,
  • carambola,
  • cereja,
  • romã,
  • melancia,
  • morango,
  • abacaxi,
  • laranja,
  • pimenta-doce, e
  • feijão de corda

Frutas que produzem etileno

Para um simples lembrete, os produtores de etileno são principalmente frutas, e os produtos sensíveis ao etileno são principalmente vegetais. As exceções são melancia e bananas verdes.
Maçãs, damascos, abacates, bananas amadurecidas, melão, figos, kiwi, manga, nectarinas, mamão, maracujá, pêssego, pera, caqui, banana, ameixa, marmelo e tomates.
Frutas e vegetais sensíveis ao etileno Banana verde, feijão verde, endívia, brócolis, couve de Bruxelas, repolho, cenoura, couve-flor, acelga, pepino, berinjela, quiabo, salsa, ervilha, pimentão, espinafre, abóbora, batata doce, agrião e melancia.

A importância de consumir orgânicos

A busca por uma alimentação saudável, balanceada e rica em nutrientes, de modo a reduzir o aparecimento de doenças e garantir uma boa qualidade de vida, levou ao aumento do consumo de alimentos orgânicos. 

Os orgânicos possuem mais nutrientes, são mais saborosos, garantem uma fonte saudável de alimento e ainda colaboram para um meio de vida mais sustentável, uma vez que os agricultores tratam o meio ambiente com o respeito necessário.

Uma das diferenças entre o alimento orgânico e o tradicional é essa potencialidade que ele tem de carregar mais defesas naturais. O licopeno encontrado no tomate, por exemplo, é um poderoso antioxidante que retarda o envelhecimento e pode ajudar a prevenir alguns tipos de câncer, entre eles o de próstata. Já o caroteno da cenoura combate infecções e atua de forma benéfica nas artérias, reduzindo o risco de infarto.

Vale lembrar que os produtos orgânicos recebem um selo de certificação, o SisOrg (Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica). O símbolo garante que o alimento oferecido é natural e livre de alterações químicas.

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso blog, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema