Funções e articulações do joelho

Entendendo que é a fonte da reclamação freqüente de dores, e onde também ocorrem lesões de complexidade um pouco maior e não tão incomuns, a anatomia do joelho é um assunto de extrema importância a se estudar.

Formada por articulações, músculos e ligamentos, o joelho é responsável por grande parte dos movimentos que realizamos no dia a dia. Ele também é responsável por sustentação do peso do corpo, e é onde recebemos grande parte do impacto quando praticamos algum exercício físico.

Um profissional da área da fisioterapia necessita conhecer a anatomia do joelho, sendo capaz de entender a mecânica dos exercícios físicos e o que pode ser prejudicial ou benéfico para as articulações do joelho do seu paciente.

A estrutura do joelho

Considerada uma das estruturas mais complexas se comparadas a outras articulações do corpo humano, trata-se de uma articulação do tipo sinovial (responsáveis por realizar a comunicação entre duas extremidades ósseas permitindo movimento), composto por três estruturas ósseas, sendo o fêmur, tíbia, e patela, e duas articulações em sua cápsula articular, sendo a articulação femorotibial e femoropatelar.

Essas estruturas irão permitir a sustentação de grandes cargas e a mobilidade necessária para a realização de atividades locomotoras. Outras estruturas importantes e que fazem parte do joelho são os meniscos, conhecidos também como cartilagens semilunares – devido ao formato em meia lua que possuem.

Para alguns autores, a anatomia do joelho possui considerável grau de estabilidade articular e é estabilizado por ligamentos, músculos e pela cápsula articular. Os quatro ligamentos que possuem papel importante na estabilização são: ligamento colateral medial, colateral lateral, cruzado anterior, e cruzado posterior.

Nesse texto, vamos abordar melhor as articulações que compõe o joelho e posteriormente descrever suas funções e movimentos.

Articulação femorotibial

É uma articulação sinovial. Os côndilos femorais mediais e laterais fazem contato através dos meniscos interpostos à face articular superior da tíbia.

Articulação femoropatelar

A articulação femoropatelar é uma articulação sinovial, do tipo plana ou planartrose. A face articular da patela é adaptado à face patelar do fêmur.

Articulação tibiofibular-superior

Articulação sinovial plana entre a tíbia e a cabeça da fíbula.

Amplitude articular do joelho

Flexão do joelho

A flexão é o movimento que aproxima a face posterior da perna da face posterior da coxa. Durante a flexão, os meniscos são tracionados para trás. Os músculos responsáveis por este movimento são: bíceps femoral; semitendinoso; semimembranoso; sartório e grácil. Gastrocnêmios e poplíteo são auxiliares.

O movimento ocorre no plano sagital entre os côndilos do fêmur e da tíbia. Neste teste, evitar a rotação do quadril, assim como a extensão e qualquer flexão adicional. Anotar o grau de flexão do quadril, se não for de 90º. Manter a articulação do quadril fletida para evitar o estiramento do músculo reto femoral. Amplitude articular: 0°- 140°.

Extensão do joelho

A extensão é o movimento que afasta a face posterior da perna da face posterior da coxa. Corresponde ao retorno a partir de sua flexão e ocorre no plano sagital. Durante a extensão, os meniscos são tracionados para frente. O grupo muscular responsável por este movimento é o quadríceps femoral (reto femoral, vasto lateral, vasto medial, vasto intermédio). Tensor da fáscia lata e glúteo máximo são auxiliares. Amplitude articular: 140°- 0°.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema