Hemograma: Globulos Vermelhos, Glóbulos Brancos e Plaquetas

Embora as hemácias sejam células anucleadas, constituídas apenas por membrana plasmática e citoplasma, são bastante complexas. Origina-se na medula óssea pela proliferação e maturação dos eritroblastos, fenômeno chamado de eritropoese. A eritropoese leva à produção de hemácias de modo a manter constante a massa eritrocitária do organismo, sugerindo que o processo é finalmente regulado, sendo a eritropoetina o principal e mais bem conhecido fator de crescimento envolvido.

O processo de maturação eritroide envolve uma grande variedade de células em diferentes estágios de maturação, sendo o conjunto total de células eritroides chamado de éritron, termo que enfatiza a unidade funcional das células envolvidas na eritropoese.

As funções primordiais dos glóbulos vermelhos são: a de transportar oxigênio dos pulmões aos tecidos, mantendo a perfusão tissular adequada, e transportando CO2 dos tecidos aos pulmões. A hemoglobina, que constitui 95% das proteínas das hemácias é a responsável por essas funções.

Globulos Brancos


Os glóbulos brancos formam o grupo mais heterogêneo de células do sangue, tanto do ponto de vista morfológico quanto fisiológico. Embora os leucócitos desempenhem papel de defesa do organismo, cada subtipo leucocitário detém funções bastante específicas e distintas entre si, que, em conjunto, estruturam o sistema imunológico. Os leucócitos são agrupados em duas categorias diferentes: os leucócitos mononucleares e os polimorfonucleares.

Os primeiros incluem os linfócitos, plamócitos e os monócitos, cuja característica peculiar é a de possuir um núcleo único e uniforme. Os últimos, também chamados de granulócitos pela presença de granulação citoplasmática, incluem os neutrófilos, eosinófilos e basófilos e possuem um núcleo multiforme e segmentado.

Apesar de todos os leucócitos originarem-se de um precursor hematopoético comum na medula óssea, os precursores intermediários são distintos e influenciados por diferentes fatores de crescimento. No caso dos linfócitos T, por exemplo, eles têm a peculiaridade de completar o seu processo de maturação no timo.

É importante observar que, em recém-nascidos e crianças, existe entre leucócitos um predomínio de células mononucleares, principalmente de linfócitos em relação aos granulócitos; com o tempo essa relação se inverte, e em adultos existe predomínio de polimorfonucleares, principalmente de neutrófilos.

Plaquetas

Embora pequenas, as plaquetas são as células do sangue responsáveis por elaborados processos bioquímicos envolvidos na hemostasia, trombose e coagulação. São formadas na medula óssea a partir da fragmentação do citoplasma do seu precursor, o megacariócito – uma célula gigante e multilobulada presente na medula.

Do ponto de vista morfológico, as plaquetas são fragmentos citoplasmáticos anucleados de tamanho variado, de 2,9 a 4,3 µm e espessura entre 0,6 a 1,2 µm. É importante salientar que o tamanho das plaquetas varia de um indivíduo para outro. Há quatro tipos distintos de grânulos nas plaquetas: os α-grânulos, os corpos densos, os lisossomos e os microperoxissomos.

Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? Confira o curso de Interpretação de Hemograma. Confira também nosso portfólio na área de Enfermagem.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema