O que Você Precisa Saber sobre a Doença do Chato

O piolho-caranguejo, ou piolho-da-púbis, também conhecido como “chato” é o piolho que vive nos pêlos pubianos. Assim como os outros insetos parasitas da sub-ordem Anoplura, o chato se alimenta de sangue, provocando a sensação de coceira.

Como ele se parece:

Ao contrário do que se pensa a doença não se manifesta somente na região pubiana. Ela pode se manifestar em outras áreas do corpo humano, como axilas, pelos do tórax masculino, coxas, barba e até mesmo em cílios e sobrancelhas.

Como a pessoa é infectada?


O piolho-da-púbis, de forma similar ao piolho do cabelo, se aloja na base dos pelos, onde deposita seus ovos. O chato é uma doença sexualmente transmissível (DST), mas também pode ser transmitida pelo uso compartilhado de toalhas e roupas de cama de pessoas que já estejam infestadas pelo parasita.
Contudo, o uso de preservativos não previne a infestação do parasita, e a escolha de um parceiro com bons hábitos de higiene evita tais complicações.

Quais são os sintomas?


A principal queixa sintomática é a coceira, mas alterações na pele podem ocorrer, como bolhas e manchas azuladas. Verificados tais sintomas, é recomendável procurar ajuda médica.

Os principais sintomas são:

  • Coceira intensa na região íntima;
  • Irritação e inflamação da região afetada;
  • Gotas de sangue ou pontos azulados na pele da região púbica.

Em alguns casos, pode haver reações mais intensas na pele, principalmente nos casos de infestações graves, urticária, dermatite ou infecção por bactérias com formação de pus. Além disto, de acordo com o grau de infestação, os piolhos podem infestar a raiz dos pelos de outros locais, como axilas e sobrancelhas.

Como tratar a doença do chato?

Geralmente o tratamento do chato se dá através do uso de medicamentos que exterminam os parasitas nas áreas infectadas, sendo aplicados na região pubiana e nas regiões próximas, como abdômen, coxas e nádegas. Outro tratamento possível é a medicação oral, através de comprimidos.

As principais formas de tratamento, são:

  • Remoção das lêndeas e piolhos com uma pinça ou pente fino;
  • Uso de medicamentos inseticidas adequados para uso na pele, na forma de sprays, loções ou cremes, com solução de Lindano, Permetrina creme ou Malationa;
  • Uso de antiparasitário em comprimido, como a Ivermectina, o que é mais indicado em casos de infestações extensas ou graves. 

A catação, que consiste em observar o local infectado e remover os piolhos manualmente, é outro método eficaz. Em alguns casos, é necessário combinar o tratamento oral e o tratamento com aplicações de medicamentos na pele. O tratamento mais indicado para a doença deve ser definido por um dermatologista.
As pessoas infectadas pela doença do chato devem repetir a aplicação de remédios na pele uma semana depois da aplicação anterior. A primeira aplicação tem por objetivo eliminar os insetos adultos, enquanto a segunda elimina aqueles que ainda não tinham se manifestado até o momento da primeira aplicação.
É importante trocar de roupas diariamente e lavá-las em água quente (ou a seco). Deve-se se certificar de que os outros membros da família também estejam tomando os devidos cuidados para evitar a transmissão do piolho-caranguejo: com higiene, o risco de contágio é totalmente diminuído.

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso blog, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema