O uso da Efedrina na musculação

Algumas pessoas usam suplementos alimentares para acelerar o processo de crescimento e definição dos músculos. Algumas dessas substâncias são inseridas na dieta para facilitar o processo estético. Uma delas é a Efedrina, que é muito utilizado por atletas e praticantes da musculação, pois, facilita a perda de peso e ajuda no ganho de massa muscular.

A busca por melhores resultados, mais rápidos e expressivos é extremamente grande – e pode ser perigosa. E não são só os esteroides anabolizantes que servem de atalhos perigosos: a efedrina é um deles.

Este composto químico é muito utilizado por praticantes de musculação como um termogênico a fim de reduzirem a gordura corporal.

Efedrina e a Musculação: Qual é o impacto?

Em teoria, os ganhos relacionados ao uso da Efedrina como termogênico acontecem por conta de ela elevar consideravelmente a pressão e circulação sanguínea. Além disso, ocasiona a contração dos vasos sanguíneos
O problema é que esses efeitos da Efedrina são benéficos para situações específicas. Uma pessoa saudável pode, por exemplo, apresentar uma pressão arterial muito alta após o consumo da efedrina, bem como outros efeitos colaterais graves.
Qual a origem da efedrina?
A efedrina é derivada planta Ephedra da família das efedrácias, e muito utilizado em medicamentos descongestionantes nasal, bronco-dilatador e vasopressor, porém, atualmente está restrito para esses fins por medidas de segurança.

Ela é utilizada muito em casos de hipotensão, ou seja, pressão baixa, mas também em casos de “tratamento de choque”, quando há uma queda abrupta e grave na pressão arterial.

Além disso, como dissemos no começo, é utilizada em tratamentos de asma, resfriado e congestão nasal, mas também em casos da Síndrome de Stokes-Adams, onde a pessoa sofre de convulsões seguidas de uma arritmia cardíaca.

Também era utilizada em métodos antidepressivos, além de ser um estimulante para o Sistema Nervoso Central em casos de narcolepsia.

Como você pode ver, a Efedrina sempre teve um fim terapêutico/farmacêutico.

Quais os efeitos colaterais?
A Efedrina é uma droga adrenérgica, e seus efeitos provocam vários efeitos colaterais como: 

  • taquicardia,
  • hipertensão arterial,
  • sudorese excessiva,
  • dor de cabeça,
  • falta de ar,
  • entre outros.

Em superdosagem pode provocar efeitos muitos graves como alucinações, alteração de humor, tontura e até a morte.
A efedrina funciona no aumento da temperatura do corpo, e por isso a pessoa que a toma passa a perder água do corpo de forma mais rápida, porém, é preciso tomar cuidado, pois ao mesmo tempo em que a efedrina queima as gorduras, se não tiver uma rica administração de potássio pode ocorrer a perde massa muscular também. A efedrina é ingerida com outras substâncias formando um coquetel considerado perigoso.

Os perigos da Efedrina acabam se manifestando por meio da estimulação de adrenalina, além de efeitos colaterais como: cefaleia, ansiedade, insônia, náuseas, vômitos, sudorese, sede, palpitações, tremores e fraqueza muscular, psicose e até crises convulsivas.

Além disso, produtos que tinham efedrina em sua composição, foram relacionados a ocorrências de infarto do miocárdio, arritmia cardíaca, hepatite, hipertensão grave, AVC.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema