Principais Complicações Relacionadas à Coleta do Sangue Venoso

Segundo Torres, Andrade & Santos (2005), a punção venosa periférica constitui-se em uma das atividades mais frequentes realizadas pelos profissionais de saúde, especialmente os profissionais da equipe de enfermagem, sendo que a execução deste procedimento envolve conhecimentos advindos da anatomia, fisiologia, farmacologia, psicologia, entre outros inclusive a destreza manual.

É considerada uma técnica invasiva visto que o cateter provoca o rompimento da proteção natural e como consequência a comunicação entre o sistema venoso e o meio externo.

A diminuição das complicações relacionadas à punção venosa para coleta de sangue está diretamente relacionada ao correto manuseio dos materiais e equipamentos utilizados para o procedimento, ao conhecimento do profissional que realiza a coleta, ao uso dos equipamentos de proteção individual (luvas), assepsias corretas (lavagem das mãos, assepsia antes da punção), descarte correto de materiais perfuro cortantes e manutenção asséptica das salas de coleta.

Desta forma é possível concluir que a operacionalização do processo de coleta de sangue deve ser alvo de treinamento constante concedido ao pessoal de enfermagem, incluindo normas e rotinas específicas e claras para o entendimento de todos os envolvidos.

As principais complicações relacionadas à punção para coleta de sangue venoso descrito pela SBPL/ML (2009) são:

Hematomas

Pode ocorrer durante ou após a realização da punção venosa. Nos casos em que o hematoma é visualizado pelo profissional durante a coleta indica-se retirar o torniquete e a agulha imediatamente e realizar compressão local por um período de dois minutos, sendo indicado o uso de compressas frias para atenuar a dor.

Punção em Artéria

Acidentalmente, quando está se puncionando a veia pode ser puncionada uma artéria, a identificação de que esta ocorreu, ao invés daquela, é feita pela visualização de um sangue vermelho vivo e em forma de jato fluindo. Retira-se a agulha e o torniquete e recomenda-se a compressão local por cinco minutos e uma eficiente oclusão no local da punção.

Neste item cabe ressaltar a importância da identificação da veia a ser puncionada antes da realização do procedimento, como foi descrito anteriormente, uma vez que sendo esta identificação correta o risco de se puncionar uma artéria é mais difícil.

Anemia Iatrogênica

Diz respeito às quantidades (volume) de sangue para a coleta, já que em alguns casos a retirada de volumes maiores e por mais vezes pode ter como consequência uma anemia iatrogênica. É importante estar atento principalmente nos casos dos pacientes pediátricos nos volumes mínimos a serem coletados para a realização dos exames laboratoriais.

Outro fator importante neste item diz respeito a uma coleta eficiente, ou seja, a partir de uma coleta correta evita-se o procedimento de recoleta por falhas.

Lesão nervosa

Para evitar qualquer forma de lesão nervosa no procedimento de punção para coleta de sangue venoso é recomendado evitar a inserção rápida e muito profunda da agulha.

Ao puncionar o paciente, se a veia não foi localizada, não é orientada a busca pela localização da veia com a agulha dentro do paciente. O correto é retirar a agulha por completo e realizar nova punção. A instrução ao paciente deve ser de evitar movimentos bruscos.

Infecção

É rara, mas deve ser considerada. Os principais cuidados para evitar o processo infeccioso no local da punção venosa é a correta assepsia do local a ser, a utilização do menor intervalo de tempo possível entre a retirada do protetor de agulha e a punção, e a abertura do curativo para oclusão do local da punção somente no momento da colocação e com permanência de pelo menos 15 minutos.

Dor

Uma dor de pequena intensidade é normal mediante a punção venosa, entretanto, nos casos em que se observa dor intensa, parestesias, irradiação da dor pelo braço durante ou após a punção podem indicar comprometimento nervoso na punção e deve ser investigado. A pele seca após a assepsia proporciona uma sensação dolorosa, desta forma torna-se importante a recomendação de aguardar o tempo mínimo para a secagem do antisséptico utilizado.

Gostou desse artigo? Inscreva-se e continue nos acompanhando!

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema