Princípio da sobrecarga ou princípio da elevação progressiva da carga

Princípio da Sobrecarga, o qual determina que, para o indivíduo adquirir aptidão física, os sistemas orgânico ou fisiológico devem ser submetidos a cargas e esforços que provoquem adaptações. Isto é, provoca um esforço por meio do qual o organismo é obrigado a responder aos estímulos para se adaptar. Alcançamos isso através de uma avaliação que determinará as cargas iniciais dos treinos.

Relaciona-se às adaptações sofridas pelo organismo em consequência dos estímulos de treinamento físico.
O aumento regular e progressivo da carga de trabalho é que possibilitará a almejada melhoria no rendimento. Esta reação é, inicialmente, muito rápida, tornando-se mais lenta à medida que o indivíduo atinge níveis de performances cada vez maiores e melhores.
A aplicação de uma nova carga de treinamento (aumento do peso utilizado) dependerá da intensidade da carga anterior, do período de recuperação (anabolismo) e do período de restauração ampliada (supercompensação).
O organismo após um determinado esforço físico é capaz de restituir sozinho as energias perdidas pelos diversos desgastes a que foi submetido e ainda, preparar-se para uma carga mais forte de trabalho.
Assim, sabemos que não só são reconduzidas as energias perdidas como também são criadas maiores reserva de energia de trabalho. Chamamos a este fenômeno de assimilação compensatória.
A primeira fase deste fenômeno, a que recompõe as energias perdidas, chama-se período de restauração. A segunda fase é chamada de período de restauração ampliada, após o qual o organismo possuirá uma maior fonte de energia para novos estímulos.
O período de recuperação (restauração), somado ao período de restauração ampliada, produzem a chamada assimilação compensatória.

Estímulos mais fortes devem sempre ser aplicados ao final do período de assimilação compensatória, para que seja elevado o limite de adaptação do aluno.
É preciso dosar bem esse processo, pois um período de recuperação insuficiente, fatalmente levará a um estado de supertreinamento e consequentemente à exaustão. Já, períodos muito grandes de pausas entre as aulas (treinos) provocam o aparecimento de um período de decréscimo da restauração, não deixando condições para um aumento de possibilidades ao aluno em relação ao acréscimo de carga de trabalho.

Habilidades esportivas são aprendidas através de uma variedade de técnicas e conceitos. É a qualidade da prática que conta, e não quantidade e intensidade. Mas quando as habilidades aprendidas exigem correções substanciais, o superaprendizado ajuda. Por isso, seu treino deve ser sempre supervisionado. Isso significa que é preciso repetidamente praticar uma habilidade além do que é necessário para realizá-la.

Simplesmente, é um método de sobrecarregar o aprendizado onde a qualidade e a quantidade são usadas para superar erros. Normalmente, as habilidades são melhor aprendidas quando a fadiga não afeta a capacidade do atleta de padronizar corretamente os movimentos. Se a musculatura está fadigada/cansada acontecem as lesões, muitas delas por conta da sobrecarga realizada de forma aguda e sem progressão.

Gostou do artigo? Inscreva-se no nosso blog, conheça os cursos da área e continue nos acompanhando.  

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema