Sonda nasoenteral

A sonda nasogástrica ou nasoenteral (SNE) é um tubo de borracha ou plástico, normalmente de polivinil que é flexível. Normalmente ela é inserida pela narina até o estômago ou intestino, para viabilizar a alimentação ou a drenagem de fluidos de um paciente.

A sonda nasoenteral tem comprimento variável de 50 a 150 cm, e diâmetro médio interno de 1,6mm e externo de 4 mm, com marcas numéricas ao longo de sua extensão, facilitando posicionamentos, maleáveis, com fio-guia metálico e flexível, radiopaca.
A sonda nasoenteral é passada da narina até o intestino. Difere da sonda nasogástrica, por ter o calibre mais fino, causando assim, menos trauma ao esôfago, e por alojar-se diretamente no intestino, necessitando de controle por Raios-X para verificação do local da sonda.

Função da Sonda Nasoenteral

Tem como função apenas a alimentação do paciente, sendo de escolha no caso de pacientes que receberam alimentação via sonda por tempo indeterminado e prolongado. Por isso, está sonda só permanece aberta durante o tempo de infusão da alimentação. A técnica de sondagem se assemelha com a técnica de sondagem nasogástrica.
Material que a sonda é composta

• Sonda enteral com fio guia (mandril);
• Seringa de 20 ml;
• Copo com água;
• Gaze;
• Benzina;
• Toalha de rosto;
• Xylocaína gel;
• Fita adesiva;
• Estetoscópio;
• Biombo s/n;
• Luvas de procedimento;
• Sacos para lixo.
Qual é o procedimento de inserção da sonda nasoenteral?

  1. Elevar a cabeceira da cama (posição Fowler – 45º) com a cabeceira inclinada para frente ou decúbito dorsal horizontal com cabeça lateralizada;
    2. Proteger o tórax com a toalha e limpar as narinas com gaze;
    3. Limpar o nariz e a testa com gaze e benzina para retirar a oleosidade da pele;
    4. Medir a sonda do lóbulo da orelha até a ponta do nariz e até a base do apêndice (acrescentar mais 10 cm);
    5. Marcar com adesivo;
    6. Calçar luvas;
    7. Injetar água dentro da sonda (com mandril);
    8. Mergulhar a ponta da sonda em copo com água para lubrificar;
    9. Introduzir a sonda em uma das narinas pedindo ao paciente que degluta – introduzir até a marca do adesivo;
    10. Aguardar a migração da sonda para duodeno, encaminhar ao Raio-X para confirmação do local da sonda;
    11. Retirar o fio-guia após a passagem correta;
    12. Observar sinais de cianose, dispnéia e tosse;
    Como verificar se a sonda está no local correto?

13. Injetar 20 ml de ar na sonda e auscultar com esteto, na base do apêndice xifóide, para ouvir ruídos hidroaéreos;
14. Colocar a ponta da sonda no copo com água – se tiver borbulhamento está na traquéia. Deve ser retirada;
15. Toda vez que a sonda for aberta, para algum procedimento, dobrá-la para evitar a entrada de ar;
16. Fechá-la ou conectá-la ao coletor;
17. Fixar a sonda não tracionando a narina;
18. Colocar o paciente em decúbito lateral direito para que a passagem da sonda até o duodeno seja facilitada pela peristalce gástrica.

Ficou interessado e quer saber mais sobre o assunto? Confira o curso de Cuidados de Enfermagem com Sondas, Drenos e CateteresManipulação de Cateteres, Sondas e Drenos e conheça nosso portfólio de cursos na área de Enfermagem.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema