Tórax e a juntura torácica

Pensando na estrutura do corpo humano, é comum ouvirmos falar de alguns termos e por vezes isso causar alguma confusão. Trazendo para o foco desse artigo, temos que focar na anatomia do troco. É importante deixar bem claro que, o tórax é a parte mais superior do tronco e é responsável por abrigar alguns órgãos muito importantes para a respiração, como os pulmões e para a circulação como o coração.
O tórax é constituído pelo osso esterno, anterior e mediano, pelas vértebras torácicas dorsalmente e pelas costelas com suas cartilagens costais na porção posterior, lateral e também anterior do tórax.

É comum encontrarmos pessoas que são capazes de estalar o esterno através da movimenta da caixa torácica ao aduzir as escápulas. Também, na região torácica, são comuns as lesões por trauma nas costelas, sendo fissuras ou fraturas, e muitas vezes identificadas somente tempos depois devido à dor e não no momento em que foi causada. Existe ainda a cirurgia plástica realizada nessa região, a qual retira as costelas voadoras, apesar desse procedimento não ser recomendado pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e gerar intensos debates no meio médico.

Junturas do tórax

As junturas do tórax são constituídas pelas uniões entre as costelas e as vértebras, pela união entre as costelas e as cartilagens costais, pela união entre o osso esterno e as cartilagens costais, também entre as partes do esterno e entre as cartilagens costais.
A primeira articulação que iremos estudar é a costovertebral. Esta união é do tipo sinovial plana e se dá entre as costelas e vértebras, apresentando movimento bastante reduzido de deslizamento.
Elas se articulam em dois locais, um entre a cabeça da costela e o corpo vertebral (na fóvea costal superior e inferior) e o outro entre o tubérculo da costela e o processo transversal (fóvea costal).
Para manter a primeira articulação unida existe o ligamento radiado da cabeça da costela que reforça a cápsula articular anteriormente. Já na segunda articulação existe o ligamento acessório costotransversal.

Já a articulação costocondral ocorre entre as costelas e as cartilagens costais e é constituída de cartilaginosa hialina, sendo classificada em sincondrose. Esta juntura apresenta pouco ou nenhum movimento.
A articulação esternocondral ocorre entre o osso esterno e a cartilagem costal, sendo constituída de cartilaginosa hialina (apenas na 1ª costela) e classificada em sincondrose.

Já da 2ª a 7ª costelas a articulação é classificada em sinovial planas apresentando movimento de deslizamento durante a respiração. E para reforçar a articulação sinovial existe o ligamento esternocostal.
A articulação intercondral (5ª a 9ª cartilagem costal) encontra-se entre as cartilagens costais superiores e as cartilagens costais inferiores. É uma juntura do tipo sinovial plana com presença de ligamentos acessórios intercondrais. Esta juntura possui movimento pequeno de deslizamento.

E por último a articulação do esterno. Esta é constituída por duas junturas, a manúbrioesternal, entre o manúbrio e o corpo do esterno, e a xifoesternal, entre o processo xifóide e o corpo do esterno.
Ambas as articulações do esterno são de cartilagem hialina, classificadas em sincondrose e apresentam pequenos movimentos de deslizamentos.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Biologia.

Mais artigos sobre o tema