Vias de entrada dos produtos tóxicos

Para que um agente tóxico seja capaz de produzir danos aos organismos, são necessários vários fatores agindo em conjunto, ou seja, é necessário que haja uma interação entre eles.

Esses fatores são:

• O tempo de exposição

Um dos fatores mais importante está relacionado ao tempo de duração da exposição dos organismos ao agente tóxico. De acordo com relatos na literatura, quanto maior a duração da exposição a certo agente tóxico, maior a probabilidade deste organismo sofrer algum tipo de dano.

• A concentração da substância

Outro fator de grande importância e que influencia na ocorrência de danos à saúde é a concentração do agente tóxico. Dessa forma, quanto maiores as concentrações a que os organismos estão submetidos, maiores serão as probabilidades de ocorrerem danos à saúde.

• O tipo de substância

Um fator que influencia também na intensidade dos danos causados à saúde é o tipo de substância que o organismo está exposto. Há substâncias que apresentam um grau de toxicidade maior quando comparadas a outras.

• A forma que a substância tóxica se encontra

A forma como a substância tóxica se encontra no ambiente também é de grande importância. Esse fato vai facilitar a penetração no organismo e consequentemente a ocorrência de danos à saúde.

A capacidade de absorção dos organismos

A capacidade de absorção dos organismos reflete a eficiência de determinada substância tóxica em causar danos à saúde. Existem substâncias que só são capazes de penetrar no organismo pela pele ou por inalação. A eficiência dessas substâncias vai depender da capacidade de absorção dos organismos. A absorção é a passagem de uma substância do local de contato, no organismo, para a corrente sanguínea. Nessa passagem, os agentes tóxicos atravessam várias barreiras, que são as membranas biológicas.

A penetração dos agentes tóxicos no organismo pode ocorrer por três formas: pela inalação, pela ingestão e pelo contato com a pele. Falaremos agora sobre cada uma dessas vias de exposição das substâncias tóxicas.

a) Via de exposição por inalação

As substâncias tóxicas que se encontram na forma de gases, poeiras, vapores, fumaças, fibras, etc são capazes de penetrar nos organismos por meio da inalação, tanto pelas vias aéreas superiores quanto pelos alvéolos.

O sistema respiratório é constituído pelas vias aéreas superiores e os pulmões.

O caminho percorrido pelas substâncias tóxicas pelo sistema respiratório vai depender da reação do organismo a esses agentes. Muitas vezes, as substâncias tóxicas se agrupam em partículas e dependendo do tamanho dessas, nem chegam a percorrer todos os compartimentos respiratórios.

As substâncias ao serem absorvidas pelas mucosas nasais, não chegam a atingir os pulmões. Essa capacidade de absorção pelas vias superiores está ligada a hidrossolubilidade da substância. Quanto maior a sua solubilidade em água maior será a sua capacidade de ser retida no local.

Portanto, a constante umidade das mucosas nasais quase sempre pode ser considerada como uma proteção natural do organismo. Porém, podem ocorrer reações locais com o auxílio da água, gerando compostos tóxicos ao organismo, causando irritações nas mucosas e consequentemente aos alvéolos pulmonares. Portanto, a umidade não é um sistema protetor livre de falhas.

Dessa forma, ou a substância fica retida nas mucosas nasais ou elas chegam aos pulmões, especificamente nos alvéolos pulmonares, de onde alcançam a corrente sanguínea. Nesse caso, podem ocorrer danos aos pulmões e a distribuição da substância tóxica para diversos outros órgãos.

b) Pela ingestão

Uma vez no trato gastrintestinal, um agente tóxico poderá sofrer absorção desde a boca até o reto, geralmente pelo processo de difusão passiva. Poucas substâncias sofrem a absorção na mucosa oral, pois o tempo de contato é pequeno nesse local.

A absorção via trato gastrintestinal ocorre devido a vários processos, que são citados abaixo:

• Endocitose

O processo de endocitose é típico de organismos unicelulares. É a forma pelo qual esses organismos realizam sua nutrição. Porém, nos chamados seres multicelulares ou pluricelulares, este processo também pode ocorrer, porém, como estratégia de defesa contra agentes estranhos ao organismo. A endocitose é dividida em dois tipos: a pinocitose e a fagocitose.

• Pinocitose

É o processo pelo qual determinadas células englobam líquidos pela invaginação das suas membranas plasmáticas, formando canais por onde esses líquidos escoam. Ao fecharem esses canais dá-se origem ao pinossomo, uma espécie de bolsa membranosa.

• Fagocitose

É um processo semelhante ao de pinocitose, porém as células englobam líquidos pela invaginação das suas membranas plasmáticas, formando pseudópodes – formando o fagossomo.

Graças a formação do pinossomo e fagossomo, pelo processo de endocitose, as substâncias nocivas ao organismo podem ser eliminadas de dentro das células. Após a formação dessas estruturas, elas se aderem à membrana plasmática e sofrem exocitose, que é o processo de eliminação para o meio externo.

Transporte passivo

O transporte passivo é aquele que ocorre sem o gasto de energia. Pode ser por difusão ou por difusão facilitada.

• Difusão

A difusão é o processo pelo qual as substâncias passam de um local onde elas estão em maior quantidade para outro onde elas estão em menor quantidade.

• Difusão facilitada

O transporte facilitado ocorre quando a substância atravessa a membrana ligando-se a uma molécula que facilite a sua passagem.

• Transporte ativo

Transporte ativo é caracterizado pela passagem da substância pela membrana por meio da ocorrência de gasto energético.

Algumas propriedades interferem na absorção da substância nociva pelo do trato gastrointestinal.

As principais são:

• Tamanho e peso molecular da substância

Quanto maior o tamanho e peso molecular de uma substância tóxica mais difícil será sua absorção e distribuição pelo organismo.

• Ionização da substância

Esta propriedade está relacionada ao pH do meio de absorção. Quando a substância encontra-se ionizada no meio de absorção ela dificilmente é absorvida. Quando se encontra não-ionizada ela é facilmente absorvida pela membrana.

• Solubilidade da substância no meio de absorção

A substância tóxica para circular pelo organismo deve ter um equilíbrio entre hidrosolubilidade e lipossolubilidade, podendo assim atravessar a membrana e solubilizar-se na corrente sanguínea.

Outros fatores relacionados ao indivíduo também podem influenciar na absorção das substâncias nocivas como: o estado de plenitude gástrica do indivíduo; o tempo de permanência da substância nos diferentes compartimentos do trato gastrintestinal; a idade do indivíduo, dentre outras.

c) Pelo contato com a pele

A pele é um órgão formado por múltiplas camadas de tecidos e contribui com cerca de 10% para o peso corpóreo. No estado íntegro, a pele constitui uma barreira efetiva contra a penetração de substâncias químicas exógenas. No entanto, algumas substâncias podem sofrer absorção cutânea.

As substâncias químicas podem ser absorvidas, principalmente, através das células epidérmicas ou folículos pilosos.

Diferentes fatores podem influenciar na absorção de uma substância:

• Fatores ligados ao organismo: a superfície corpórea; volume total de água corpórea; abrasão da pele; fluxo sanguíneo através da pele; queimaduras químicas ou térmicas; e pilosidade;

• Fatores ligados ao agente químico: volatilidade e viscosidade; grau de ionização; e tamanho molecular;

• Fatores ligados à presença de outras substâncias na pele: Vasoconstritores; veículos; água; agentes tenso-ativos; e solventes orgânicos.

• Fatores ligados às condições de trabalho: tempo de exposição; temperatura do local de trabalho; o sexo do indivíduo; e etc.

Gostou do conteúdo e ficou interessado em saber mais? Siga acompanhando nosso portal e fique por dentro de todas nossas publicações. Aproveite também para conhecer nossos cursos e ampliar seus conhecimentos.

Receba novidades dos seus temas favoritos

Se aprofunde mais no assunto!
Conheça os cursos na área da Saúde.

Mais artigos sobre o tema